“Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho…” (Isaías 53.6)

 Fazia sol naquela tarde de sexta-feira, no mês de março de 1978. Tinha acabado de completar cinco anos servindo a Marinha do Brasil. Estava na Estação Rádio da Marinha, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, cursando telegrafia. Havia começado o curso no final de 1976. Faltavam algumas semanas para a formatura..

A tarde estava ensolarada e a única sombra era produzida pelo parque de mangueiras que ornamentavam aquele lugar. Tinha acabado de sair do refeitório. Cabisbaixo, caminhava lentamente. Parecia não suportar a ansiedade de voltar para o seio de minha família. Só tinha 21 anos, família longe, poucos amigos capacitados para me orientar sobre o rumo que deveria seguir após deixar a farda… Ao mesmo tempo em que pensava no meu futuro, sentia-me incapacitado para enfrentar a vida lá fora.. Passei a andar mais devagar, como desejoso de aproveitar cada momento, cada instante de minha vida naquela organização militar. Eu aprendi a amar a vida militar. O convívio marinheiro me ensinou lições que as ponho em prática até hoje.. A certeza que me acompanhava, naquele momento, era de que havia tomado uma decisão errada, visto que não era hora de deixar a farda, de sair da Marinha…

Quer saber a história completa? tem interesse de ler o livro, então lhe dou uma bela sugestão: Adquira hoje mesmo o livro Avistei o Farol, ligue-me (61) 9551-9827  / (61) 9533-8402 ou fale comigo pelo email orcelio.orcelio@gmail.com ou com meu representante gustavo.marques.lopes@hotmail.com e eu te darei todas as dicas como adquirir o livro, já que ele não se encontra nas livrarias nacionais.