“Converte-nos, Senhor, a ti, e nós nos converteremos: renova os nossos dias como dantes” (Lm 5.21).

Estamos vivendo dias difíceis, que vão desde as manifestações de ruas até mesmo as operações policiais, “a operação jacaré”, “a tartaruga” e por ai vai. A secularização tem sido responsável pela grande avalanche de problemas no contexto social, com reflexos no espiritual. O consumismo, oriundo da globalização, tem contribuído para piorar, ainda mais, a situação de muitos no campo financeiro, afetando, de forma direta, o estado de espírito de cada brasileiro. Nesses momentos de intensas variações na vida de cada cristão, faz-se necessário a busca constante da renovação espiritual. Esta é capaz de manter acesa a chama do fogo do Espírito dentro de cada coração temente a Deus e preservar diligentemente os princípios da ética cristã, marca registrada de cada salvo em Cristo Jesus. A renovação espiritual faz o crente andar na verdade e abominar a mentira. Ela torna o matrimônio mais estável, ajuda-nos a conservar os padrões bíblicos, a preservar os valores com relação à sexualidade e à pureza cristã, promovendo maior aproximação do bem e nos fazendo fugir da aparência do mal. Ela nos ajuda a compreender melhor a missão da Igreja e do Estado e promove confiança, para que possamos assumir responsabilidades e desenvolver com amor as atividades sociais. A renovação faz com que vençamos as batalhas espirituais e vivamos íntima e permanentemente em comunhão com Deus. Ela dá esforço ao cansado, multiplicando as forças daqueles que não têm nenhum vigor (Isaías 40.29). Precisamos, urgentemente, de renovação, tanto no entendimento (Romanos 12.2), no sentimento (2 Coríntios 4.16, I Pedro 3.8-9), como no Espírito Santo (Atos 4.4 e 8).