“Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos” (Lucas 10:3).

O mar estava encapelado naquele dia. Passávamos por Abrolhos indo em direção ao porto de Salvador. Eu tinha um desejo: visitar um hospital. Convidei alguns irmãos para juntos fazermos as visitas aos enfermos. O navio atracou sem problemas. Na primeira licença sai em busca de cumprir o propósito de meu coração. Esperei por trinta minutos os irmãos… não compareceram no local marcado. No hospital me dirigi ao guarda sentado na porta de acesso ao corredor principal e lhe falei que gostaria de orar pelos enfermos. Ele me ouviu atentamente, porém não levou a sério o que lhe disse, e em vez de permitir a minha entrada, fez foi me proibir. Uma enfermeira que ouvia tudo atentamente disse ao guarda: deixa-o entrar, é um pastor, vou levá-lo as enfermarias, lá tem muita gente precisando de oração… visitei o leito de uma senhora enferma. Tirei um vidro de azeite ungido do bolso, orei, repreendi a enfermidade… A mulher fez um barulhão e logo disse que não mais sentia dores… tive que sair dali correndo com a enfermeira, pois várias pessoas que receberam oração davam o mesmo testemunho e alguns já estavam me procurando ali para que orasse, o ambiente ficou inflamado, tive medo dos médicos, então tratei de sai fora daquele hospital. A enfermeira me conduzia pelos corredores, ela me pediu o azeite e disse que estava desviada do Evangelho e que queria voltar para Jesus… Já refeito do susto e pensando nos colegas crentes que não apareceram, tive a certeza de que há trabalhos que Deus confia unicamente a uma pessoa e não a muitos, logo, aprendi que há coisas que é para eu fazer sozinho.

Caso o amigo e irmão deseje ler todo o testemunho, e muitos outros é só entrar em contato comigo pelo telefone (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, e-mail orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que o livro chegue em suas mãos. O mesmo não se acha disponível nas principais livrarias nacionais.