“E, levantando as âncoras, deixaram-no ir ao mar, largando também as amarras do leme; e, alçando a vela maior ao vento, dirigiram-se para a praia. Dando, porém, num lugar de dois mares, encalharam ali o navio e, fixa a proa, ficou imóvel, mas a popa abria-se com a força das ondas. Então a ideia dos soldados foi que matassem os presos para que nenhum fugisse, escapando a nado. Mas o centurião, querendo salvar a Paulo, lhes estorvou este intento, e mandou que os que pudessem nadar se lançassem primeiro ao mar, e se salvassem em terra, e os demais, uns em tábuas e outros em coisas do navio. E assim aconteceu que todos chegaram a terra a salvo” (At 27.40-44).

A bóia é um objeto flutuante empregado para diversos fins, inclusive para socorrer náufragos. O texto do evangelista Lucas fala de um momento trágico pelo qual passou a embarcação que levava preso o apóstolo dos gentios, Paulo da cidade de Tarso, que navegava para a cidade de Roma, capital do Império romano. O naufrágio se deu às proximidades da ilha de Malta, no mar Mediterrâneo, a 93km ao sul da Sicília (Itália), devido ao mau tempo e aos fortes ventos que sopravam naquela região. A tripulação, para se salvar naquele episódio, agarrou-se aos objetos flutuantes provenientes da embarcação sinistrada que se despedaçou nas pedras. Os tripulantes fizeram do material flutuante suas bóias e por isso alcançaram a terra sem que nenhum deles se perdesse, conforme diz o texto em lide. Lembrando-me desse fato bíblico, faço um paralelo com a vida espiritual do cristão. O crente em Jesus Cristo não deve usar determinadas coisas, objetos e crenças como bóias ou “tábuas de salvação”, verdadeiros amuletos, invalidando assim, o poder do sangue de Jesus Cristo. Existem ao nosso redor muitas bóias em que as pessoas se agarram, mesmo conhecendo a Cristo como Salvador: a própria religião, a profissão (quando esta se constitui um empecilho para a pessoa crescer na fé), a pensão vitalícia (quando esta é impeditiva para a pessoa se casar e manter uma vida conforme recomenda a palavra de Deus), etc. Se essas coisas estiverem te impedindo de crescer na fé e tomar uma decisão ao lado de Cristo, então, largue a bóia!

 Caso o amigo e irmão deseje ler toda a Coleção Nas Asas do Espírito, Principalmente o Volume II, de onde foi tirado este texto, ou o livro Avistei o Farol, onde narro parte de minha vida secular, ou seja, testemunhos que me ocorreram na minha trajetória na Marinha do Brasil, entre em contato comigo e adquira todos os livros por um preço espetacular, é só fazer contato pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que os livros cheguem em suas mãos, uma vez que você não os encontrará, ainda, nas principais livrarias nacionais.