Marinheiros em Perigo

“E, temendo ir dar em alguns rochedos, lançaram da popa quatro âncoras, desejando que viesse o dia. Procurando, porém, os marinheiros fugir do navio, e tendo já deitado o batel ao mar, como que querendo lançar as âncoras pela proa, disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel e o deixaram cair” (At 27.29-32).

Há situação em nossa vida que, a vontade que dá, é a de abandonar o navio, ou seja, fugir da responsabilidade, e, deixar que o curso natural das coisas se concretize por si só, não mais com a nossa participação ou ajuda. Fazendo uma rápida análise da passagem em lide, percebe-se que os marinheiros, ao pressentirem o perigo e o provável sinistro do navio em que navegavam, o qual iria chocar-se com as rochas e encalhar ou ser destruído, provocando a morte de muitos, inclusive deles próprios, trataram logo de abandonar o barco deixando os demais companheiros de singradura. Porém, o apóstolo Paulo, que até então observava os fatos de longe, bradou em alta voz: “Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos”. Com aquelas palavras, os dois fugitivos cortaram os cabos que seguravam o pequeno bote e o deixaram cair na água, obedecendo à orientação do apóstolo. Uma das lições aprendidas nesse texto é que o cristão não é senhor de suas próprias vontades, pois há alguém a quem ele necessita se reportar, a quem ele deve escutar e se dirigir. Pode ser o pastor, alguém mais experiente ou o Senhor Jesus, que é a pessoa mais habilitada para tudo. O que não pode é o cristão tomar uma decisão precipitada, principalmente, quando a situação é adversa, quando lhe falta a força, quando é dominado pelo desânimo ou quando estiver atravessando algum tipo de problema de relacionamento conjugal, familiar, espiritual ou social. Os marinheiros acharam que não havia solução para eles e decidiram pular fora, abandonar a embarcação, ou seja, deixar de lutar. O homem e a mulher de Deus que amam a salvação, jamais abandona o barco da adversidade, da luta, da provação, mas, convicto do poder de Cristo em sua vida, enfrenta com galhardia toda e qualquer tempestade que lhe sobrevier. Tal como esses marinheiros, existem muitos. Estão em perigo e acham que o caminho mais curto é simplesmente cair fora. A Bíblia diz que ”por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; a qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até o interior do véu” (Hb 6.18,19). “E, temendo ir dar em alguns rochedos, lançaram da popa quatro âncoras…”. Os marinheiros lançaram quatro âncoras. Na vida cristã, também temos quatro âncoras: a esperança, a fé, o amor e a salvação. Quando lançamos essas âncoras, nosso barco não naufraga, passamos da morte para vida e nos sentimos seguros e jamais sofreremos naufrágio da fé.

Caso o amigo e irmão deseje ler toda a Coleção Nas Asas do Espírito, Principalmente o Volume II, de onde foi tirado este texto, ou o livro Avistei o Farol, onde narro parte de minha vida secular, ou seja, testemunhos que me ocorreram na minha trajetória na Marinha do Brasil, entre em contato comigo e adquira todos os livros por um preço espetacular, é só fazer contato pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que os livros cheguem em suas mãos, uma vez que você não os encontrará, ainda nas principais livrarias nacionais.

 

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook