“E disse-lhes: Não se abram as portas de Jerusalém até que o sol aqueça, e enquanto os que assistirem ali permanecerem, fechem as portas, e vós trancai-as, e ponham-se guardas dos moradores de Jerusalém, cada um na sua guarda, e cada um diante da sua casa” (Neemias 7.3).

Festa de gala para os hackers. Ou dia, o mundo cibernético viveu momentos de festa. Não se trata de festa junina ou julina, como é comum nestes dois meses de nosso calendário, mas de uma festa de pura satisfação para aqueles que não têm coração e nem alma, que invadem a privacidade dos outros – de empresas, de autarquias, mais precisamente dos sites do governo. Esse grupo de perturbadores dotados de conhecimentos para o mal ataca os computadores de quem quer que seja, usando técnicas sofisticadas, impedindo o acesso à internet, invadindo máquinas e furtando dos computadores arquivos contendo dados privilegiados e informações sensíveis. Assim como existem “hackers” nocivos à sociedade e que devem ser punidos exemplarmente, também existem os “hackers espirituais”, que não respeitam os sentimentos dos outros, que invadem a privacidade daqueles que não têm profundo conhecimento das Escrituras e se acham vulneráveis em vários aspectos de suas vidas, não somente no contexto moral, espiritual, financeiro, mas, também, no do relacionamento conjugal. Esse último aspecto é muito explorado por “hackers-conselheiros” que não desfrutam de uma vida a dois equilibrada e que não têm experiências conjugais favoráveis, no entanto, julgam-se mestres no assunto e invadem o interior de muitas pessoas simples e necessitadas de ajuda, causando sérios prejuízos a elas. Eles lançam seus vírus mortíferos na mente e no coração dos incautos. São vírus capazes de matar a pessoa espiritualmente falando, sem falar nas sequelas que podem ficar para o resto da vida delas. “Não se deve abrir as portas de Jerusalém até que o sol aqueça”. Da mesma forma, o nosso coração não deve ser aberto aos “hackers espirituais” até que o sol da justiça nos conceda um amadurecimento espiritual e possamos nos defender sozinhos, vencendo-os pela Palavra de Deus. A ordem do Senhor é para fechar as portas do coração, trancá-lo com trancas fortes e seguras (oração e jejum) e colocar guardas, sentinelas (fala da vigilância) de plantão permanente para não permitir que os “hackers espirituais” destruam a beleza de muitas vidas inocentes e sem o devido preparo bíblico. Meu conselho para você é: Cuidado com os “hackers espirituais”! Proteja-se desses ataques estudando a Palavra de Deus que funciona como um excelente “anti-vírus”. Não realize “downloads” em sites que não inspire confiança, ou seja, não faça como os irmãos da Galácia que deram ouvido aos falsos mestres. Se você não tem segurança ou firmeza no ensino ministrado por alguém, não o escute, não tome os seus conselhos como verídicos e procure imediatamente o seu pastor. Há muitos grupos que visitam os lares dos cristãos e querem vender suas ideias e ideologias, muitas vezes, untadas de religiosidade e de novidades escatológicas. Fuja deles, pois podem ser “hackers espirituais”.

Caso você deseje ler toda a Coleção Nas Asas do Espírito, Principalmente o Volume III, de onde foi tirado este texto, ou o livro Avistei o Farol, onde narro parte de minha vida secular, ou seja, testemunhos que me ocorreram na minha trajetória na Marinha do Brasil, entre em contato comigo e adquira todos os livros por um preço espetacular, é só fazer contato pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que os livros cheguem em suas mãos, uma vez que você não os encontrará, ainda nas principais livrarias nacionais.