Daqui a cinquenta anos

“O que semeia a injustiça segará males, e a vara da sua indignação falhará” (Provérbios 22.8).

“Naquele dia tenebroso de novembro de 1971, na prisão federal de Springrield, Missouri, descíamos por um túnel, envergando a farda da prisão. Não me foi permitido usar sapatos, meias ou roupa interior, nem sequer um cinto. Apenas um par de calças e uma camisa. Jamais esquecerei: deram-me uma calça de número 50 que eu segurava com as mãos, para evitar que caísse. Continuamos a caminhar através do túnel. As portas eletrônicas abriram-se para nos dar passagem, fechando-se em seguida. Já tínhamos andado bastante, quando ouvi um homem gritar. Não se tratava de um grito de dor, mas de desespero por se encontrar ali há muitos anos. Chegamos a uma pequena cela, quase no fim da fila. Abriram-na, atiraram para dentro um travesseiro e um cobertor e obrigaram-me a entrar. Um dos três guardas que me acompanhavam disse-me: “Entra, importante. Viremos buscar-te daqui a cinquenta anos”. Fecharam a porta com grande estrondo e se foram. Até aquele momento ainda não havia experimentado o desespero, porém, quando os ouvi cerrar a porta e afastarem-se, então uma angústia tremenda se apoderou de mim. Imagine o que significa ouvir o contínuo bater de portas durante as 24 horas do dia! Mas havia um outro som que não parava – o do homem gritando desesperado. Na cela onde me achava podia escutá-lo dia e noite, todo o dia, cada dia, gritando desesperado. Não suplicava por Deus. Por quem clamava ele afinal? Nem os próprios presos sabiam dizer. E assim comecei a cumprir a minha pena. Sem dar por isso, um ano passara-se rapidamente e depois outro. Então, mudaram-me de cela. Nunca pedi para sair sob fiança. Nunca roguei a Deus que me tirasse dali. Decorridos aproximadamente dois anos, o tenente-chefe veio a mim e disse: “Neill, pega as tuas coisas porque irás para casa”. Assim aconteceu, e saí sob fiança ao fim de dois anos e três dias de prisão. Minha mulher, nesse período em que estive preso, se converteu ao Evangelho de Cristo, aceitando a Jesus como seu Salvador e Senhor. O último dia que passei na prisão era o dia de Ações de Graças. Acreditem-me! Eu dei graças a Deus como ninguém talvez o tenha feito! Sentado na cela dizia eu: “Escute esta palavra, Pai celestial” e então lia em voz alta os trechos das Escrituras que houvera recebido, os que mais apreciava. Durante os dois anos em que ali estive, pude ler a Bíblia e sobre ela meditar muitas vezes e aprendi a amar a Palavra de Deus e as pessoas” (C. Neill). Ao ler este texto, lembrei-me de meu irmão, que já dorme no Senhor. Quando o visitei numa prisão, no centro sul do Rio de Janeiro, a primeira coisa que fiz foi lhe dar um exemplar da Bíblia Sagrada que havia ganho dos Gideões Internacionais. Ele, ao ler os trechos do precioso livro, encontrou-se com Cristo que, em pouco tempo, o chamou para a Sua obra e fez dele um pastor de ovelhas. Como é importante a intercessão. Ela abre portas, abre o mar, abre as portas do cárcere como fez nos dias em que Pedro esteve preso, abre corações e transforma vidas. A intercessão é o fruto do amor pelo outro. Quem intercede ama. A Bíblia é a carta magna que fala com profundidade sobre a intercessão. Se eu não a ler, como entenderei melhor sobre o assunto? Quantos têm a Bíblia em várias versões, mas não encontram nela o verdadeiro alimento, nem se edificam e muito menos permitem que o Espírito Santo os fale por meio das edificantes exortações? Quantos a têm, mas dela não desfrutam como deveriam desfrutar? Alegam falta de tempo para a meditação, falta de tempo para ouvir Deus! Muitos há que só encontram esse tempo quando são colocados atrás de uma cela de prisão! Liberte-se, você está solto!

Caso você deseje ler toda a Coleção Nas Asas do Espírito, Principalmente o Volume III, de onde foi tirado este texto, ou o livro Avistei o Farol, onde narro parte de minha vida secular, ou seja, testemunhos que me ocorreram na minha trajetória na Marinha do Brasil, entre em contato comigo e adquira todos os livros por um preço espetacular, é só fazer contato pelos telefones (61) 9551-9827 (claro) ou (61) 8195-1942 (TIM) e ainda (61) 3242-4456, email orcelio.orcelio@gmail.com e farei o possível para que os livros cheguem em suas mãos, uma vez que você não os encontrará, ainda nas principais livrarias nacionais.

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook