“Na verdade é já realmente uma derrota entre vós, terdes demandas uns contra os outros. Por que não sofreis antes a injustiça? Por que não sofreis antes o dano?” (1 Coríntios 6.7).

 Nos comentários sobre futebol no dia de hoje sobre a Seleção brasileira, muito me impressionou a fala de alguns comentaristas e apresentadores de programas esportivos que afirmaram que o ambiente da Seleção ajuda muito na motivação dos jogadores, de modo, que eles poderão se valer disso para alcançarem vitórias sobre seus adversários durante a COPA que começa no dia 12 de junho. O ambiente na Granja Comary e nos hotéis onde ficam concentrados há um clima de harmonia e muita união. O apóstolo Paulo é bem realista ao dizer que as demandas, as contendas, e as desavenças entre as pessoas, certamente, levam à derrota. Ele ali está falando aos coríntios que tinham o sangue quente, grande parte deles eram gregos, acostumados as lutas, as guerras, a filosofar, a ouvir certas histórias que para eles eram coisas de paroleiro, ou seja, aquele que diz parolas, palavras ocas. O próprio Paulo foi taxado de paroleiro por falar do Evangelho, de ressurreição, de vida eterna, de salvação, e outros temas ligados à religião (Atos 17.18). É muito bom quando a gente vence alguma batalha na vida. O nosso ego fica consolado e mais disposto para continuar a lutar, porém, quando encontramos uma barreira no caminho e somos derrotados em qualquer área, seja ela sentimental, material, familiar, ou mesmo espiritual, a pessoa fica num estado de abatimento terrível, às vezes cai até em depressão. Alguns cristãos não estão preparados para perderem, para serem derrotados ou mesmo para terem os seus planos frustrados ou anulados por alguma força sobrenatural. Há outros que são ousados e acham que a vida é feita unicamente de vitórias e, também de glórias, todavia, não é assim que o verdadeiro cristão, conhecedor do seu Senhor pensa e compreende as coisas. Se o cristão quer ser um vitorioso em tudo que faz, a primeira coisa que ele deve fazer é evitar o atrito, a contenda, a demanda com o seu semelhante. Deve buscar se fortalecer na Palavra de Deus, desenvolver uma vida de oração e consagração, procurando na santificação uma vida de autoridade e poder. Mesmo assim, não se tem a certeza de que ganhará todas as batalhas, pois, há algumas delas que o próprio Deus nos provará com mais intensidade, como fez com Jó, e nem todos tem a paciência e a estrutura espiritual daquele patriarca cheio de fé e esperança no Senhor. Assim como a Seleção brasileira não foi criada somente para conhecer as vitórias, assim somos nós que dizemos que temos a Cristo como Senhor e Salvador, todavia, quando formos surpreendido por algum deslize, alguma derrota, é só ter esperança naquilo que está preconizado nas Escrituras: Em tudo dai graça!