“Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda. Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado” (João 5.8-9).

 Uma das coisas nobres do futebol é o drible. O drible faz levantar a torcida, empolgar o técnico e motivar os que estão no banco de reserva. O drible deixa o adversário furioso ao ponto de cometer faltas e algumas delas causam até a expulsão do jogador faltoso, prejudicando assim o seu próprio time e beneficiando o time do driblador. O drible bem aplicado pode levar os torcedores ao delírio. Muitos jogadores são valorizados e ovacionados pelos seus dribles desconcertantes, e provocadores, capazes de deixar o adversário caído no chão. Na bíblia encontramos alguns craques, não te futebol é claro, mas homens e mulheres habilidosos em driblar a tristeza, as lágrimas, a infelicidade, a doença, e até mesmo a morte. Nas Escrituras havia um homem que a trinta e oito anos se achava enfermo, ele era paralítico e todos os dias o conduziam às proximidades do tanque de Betesda, em Jerusalém. Um dia ele se encontrou com Jesus Cristo que lhe curou, mandando-lhe pegar a sua cama e ir para a sua casa. Ele levantou-se, pegou a sua cama e foi embora, driblando assim a situação que lhe era adversa: a doença, a enfermidade, a situação precária em que vivia; ele driblou até mesmo os demais enfermos que ali viviam à espera de um milagre. Li outro dia a seguinte frase: “Faça de sua vida um jogo de futebol, Drible as lagrimas, chute as tristezas e dê um Gol de felicidade!”. É isso mesmo que devemos fazer, chutar para bem longe todo desânimo, toda tristeza, toda dor, toda infelicidade, toda angústia, todo ódio, todo sentimento negativo; driblar a má fase, a falta de dinheiro, o problema, e as imperfeições, deixando o Senhor Jesus agir de forma eficaz em sua vida. Somente Cristo tem condições de fazer você driblar até mesmo a morte. Ele fiz isso com Lázaro que já estava morto a quatro dias, o mesmo ele fez com o filho da viúva da cidade de Naim, que estava mortinho num caixão e ele o mandou levantar, driblando assim a morte. O coveiro coitado, aguardou em vão o defunto que não chegou ao cemitério. O coveiro foi driblado. Drible você também essa situação caótica em que você vive, entregue o seu caminho ao Senhor, confie nEle e no mais Ele tudo fará. E assim você dará o drible mais lindo de sua vida.