“Não confieis na opressão, nem vos ensoberbeçais na rapina; se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração” (Salmos 62.10).

 Dois terços das parábolas de Jesus Cristo estão intrinsecamente relacionadas com dinheiro ou com alguns bens materiais. Jesus sabia muito bem o que as finanças representam para o homem, principalmente, se ele constituiu família. Deus não quer que seus filhos ponham o  coração nas riquezas, mas se for agraciado com elas, saibam administrá-las de maneira correta e debaixo da bênção celestial: “Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas! Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.” (Mateus 6.21-24). O dinheiro supre grande parte das necessidades do ser humano, isso é incontestável, porém, ele não pode amar o dinheiro de modo a esquecer-se do Senhor. O mal não está em possuir o dinheiro ou ser rico, mas na maneira de possuí-lo. Paulo escrevendo a Timóteo orienta-o a fugir da usura: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.” (1 Timóteo 6.10,11). Jesus sempre se preocupou em ensinar aos seus discípulos a maneira correta de adquirir alguma coisa, porquanto, Ele incutia na cabeça deles a necessidade do planejamento: “Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar. Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz.” (Lucas 14.29-32). Não ponha o seu coração nas riquezas, mas em Cristo.