“E se encherão os teus celeiros abundantemente, e trasbordarão de mosto os teus lagares” (Provérbios 3.10).

O salmista Davi, com alegria cantou em um de seus salmos sobre o seu desejo de ser feliz, todavia, que a sua felicidade fosse desfrutada por seus filhos e pelo seu povo: “Para que nossos filhos sejam como plantas, bem desenvolvidos na sua mocidade, para que as nossas filhas sejam como pedras de esquina lavradas, como colunas de um palácio. Para que os nossos celeiros se encham de todo o provimento…” (Salmo 144.12,13). A vida do cristão é semelhante a um repleto de mantimento ou mesmo a um almoxarifado com todas as peças sobressalentes novinhas e bem organizadas, sempre prontas para o uso.  O almoxarifado é um setor de grande importância para uma empresa, porque ali se exige o controle do estoque, ou seja, quantidade, reposição, armazenagem, validade, controle do uso, mercadorias e produtos de um modo geral, já no celeiro se guardam as provisões para muitos anos. Um ilustre empresário certo dia, resolveu visitar todos os setores de sua empresa e quando chegou ao almoxarifado ficou surpreso com a quantidade de peças usadas, semi-novas e até mesmo novas, porém com defeitos, estocadas no recinto. Então, ele perguntou ao responsável: como você quer que eu construa outro almoxarifado maior se esse é suficiente? Basta tão somente se desfazer das peças velhas, das semi-novas e das peças novas defeituosas aqui estocadas. Assim procedendo sobrará espaço e, então eu providenciarei para que o estoque seja renovado. É preciso que se joguem fora as peças velhas e sem condições de reaproveitamento. Paulo disse: “As coisas velhas já se passaram, eis que tudo se fez novo”. A vida do cristão requer novidade de vida, e isso se adquire na comunhão diária com o Espírito Santo. A vida cristã é que nem um almoxarifado, que necessita de constante renovação a fim de não impedir as bênçãos novas que o Senhor tem reservado para os seus filhos. Se o coração estiver tal como um poço entulhado, então, será preciso retirar o indesejável, ou seja, os ressentimentos, as injúrias, a perversidade, a tristeza, a angústia, a ira, a inveja, as más lembranças, e tudo aquilo que estiver impedindo a operação do Espírito Santo em sua vida. Volto a citar Paulo: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17). Quando o cristão se deixa ser renovado pelas bênçãos celestiais, outras bênçãos passam a fluir com mais frequência em sua vida e sua utilidade na obra de Deus torna-se crescente e abundante. Um almoxarifado tem que ser organizado, limpo e agradável para se trabalhar. O celeiro tem que está bem cheio para suprir todas as necessidades. A Bíblia diz que “…o trigo é recolhido no celeiro de Deus” (Mt 13.30). O trigo é símbolo da Palavra de Deus, o alimento diário do cristão. Você tem armazenado trigo no seu celeiro? Você tem guardado a Palavra de Deus? O que você tem guardado no seu íntimo que está lhe trazendo prejuízos espirituais? Lance fora todo o desgosto, pois nele são armazenados os produtos para uso interno. Uma empresa de nome, bem estruturada e que é motivo de orgulho para seus funcionários e o público alvo, não pode abrir mão de um excelente almoxarifado. O homem interior pode ser comparado a um almoxarifado e também a um celeiro.