“E levantou-se grande temporal de vento e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia de água.” (Marcos 4.37).

Esse episódio se deu numa travessia de barco para se chegar a terra dos gadarenos, lugar onde Jesus tinha uma missão árdua a cumprir.Ele dormia na popa, parte de trás da embarcação, com a cabeça numa espécie de defensa, trabalhada com cabos, ou seja, obra de arte dos marinheiros. Jesus foi acordado subitamente pelos discípulos que assustados diziam que estavam perecendo, ou seja, indo a pique. Jesus calmamente repreendeu o vento e disse ao mar: “…cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou e houve grande bonança” (Mc 4.39). Jesus, também, repreendeu aos seus discípulos para que adquirissem fé. Antes eles disseram para Jesus: “… Mestre, não te importas que pereçamos?” (Mc 4.38). É claro que o Senhor se importava com seus discípulos e conosco de igual forma, e mais, Ele não nos abandona jamais: “…aqueles que vem a mim, de maneira alguma eu os lançarei fora”, “,,,e eis que estou convosco, todos os dias, até a consumação dos séculos”. Oh glória!.É edificante quando estamos atentos à meteorologia do Senhor, ou seja, quando o homem é vigilante e temente ao Senhor, dificilmente ele se embaraça com os negócios desta vida, consequentemente, consegue com paciência e confiança em Jesus vencer as tempestades que se levantam contra a sua vida e de sua família. Muitas ventanias espirituais acontecem no campo material, e outras no contexto espiritual. Esta última tem trazido sérios problemas para os crentes em Jesus Cristo, chegando a atrapalhar de maneira drástica a vida ministerial de alguns obreiros, e isso acontece porque eles se esquecem de confiar e entregar o caminho ao Senhor. É triste o estado espiritual desses que não esperam e não confiam piamente no Senhor, chegam a passar até mesmo necessidades e outros fazem naufrágio na fé, por não encontrarem força para suportar o forte vendaval. Quando o crente fiel guarda a Palavra de Deus e observa a meteorologia celestial, dificilmente é pego de surpresa diante de uma tempestade, porquanto ele foge da rota problemática e leva uma vida dependendo exclusivamente de Deus. Quem observa a mede Deus é capaz de triunfar nas horas de grandes tempestades e mar revolto, alcançando sempre o porto seguro. Confie em Deus.