“Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração  corrompida  e  perversa,  entre  a  qual  resplandeceis  como  astros  no  mundo” (Filipenses 2.15).

A Palavra de Deus é capaz de santificar, limpar, purificar, animar, revelar, exortar, admoestar e também de promove a salvação e a vida eterna a todos quantos crerem no nome maravilhoso de Jesus Cristo. No pão diário de ontem eu alertei aqueles que estão de pé para não escorregarem ou mesmo caírem. Disse ainda que há alguns cristãos que verdadeiramente estão de pé, porém, incapacitados de andarem, de realizarem eficazmente a obra de Deus porque não estão bem alimentados e nem têm o cálcio espiritual que é recebido mediante a santificação, o exercício diário da fé e a oração. Outros caem e abandonam seus ministérios porque lhes falta o devido preparo. Pregar o evangelho e ministrar o ensino não é algo que se aprende pesquisando em internet, é preciso horas de dedicação na presença do Senhor, lendo e meditando em sua palavra, sem esquecer os bons e edificantes livros evangélicos. Paulo certa vez disse a Timóteo, seu filho na fé: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”. Outros há que não conseguem se manter de pé, mas estão sempre ao ponto de caírem, isto porque brincam com as coisas de Deus. Devemos observar a recomendação de Paulo: “Aquele que está de pé, olhe não caia” (1 Co 10.12). Estes, por sua vez, esquecem de apresentar ao mundo o verdadeiro testemunho cristão e de tanto decepcionarem ao Senhor acabam perdendo a unção e quando dão por conta, percebem que a glória de Deus também desvaneceu em suas vidas espirituais e em seus ministérios. É nesse momento que alguns recorrem ao Senhor novamente e acabam obtendo de Deus o perdão e a restauração do homem interior. Volta-lhe o brilho de cristão, e como luz do mundo, voltam a brilhar de novo e não deixam mais o seu brilho ser ofuscado pelas coisas terrenas, então, a glória de Deus sobre ele faz com que evidencie a paz, a alegria e a certeza de vida eterna. O seu rosto volta a refletir a glória de Deus. Moisés desceu do Monte Sinai e precisou cobrir o rosto com o véu, tamanha era a glória de Deus em sua face. “Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração  corrompida  e  perversa,  entre  a  qual  resplandeceis  como  astros  no  mundo” (Filipenses 2.15).