“Então Josué edificou um altar ao Senhor Deus de Israel, no monte Ebal. Como Moisés, servo do Senhor, ordenara aos filhos de Israel, conforme ao que está escrito no livro da lei de Moisés, a saber: um altar de pedras inteiras, sobre o qual não se moverá instrumento de ferro; e ofereceram sobre ele holocaustos ao Senhor, e sacrificaram ofertas pacíficas.” (Josué 8.30,31).

O altar edificado por Josué ao Senhor Deus de Israel, era um altar de pedras inteiras, simbolizando assim a perfeição e a simplicidade da vida. O altar que Deus está interessado hoje é a nossa própria vida. Esta sim, precisa ser oferecida a cada dia e a cada instante ao Senhor. O nosso altar é também chamado de templo do Espírito Santo, ou seja, é a nossa vida a qual deve ser conservada exclusivamente para Deus, porquanto o Senhor não aceita que seus filhos dividam o altar oferecido a Ele quando aceitamos a seu Filho, Jesus Cristo, com outro deus ou mesmo o mundo. Pedra inteiras simboliza o relacionamento perfeito entre o homem e o seu criador. Este, por sua vez, promete vitória a todos quantos edificam o seu altar, sua vida, ao Senhor: “Então, Josué pois fogo a Ai e a reduziu, para sempre, a um montão, a ruínas até ao dia de hoje” (Js 8.28). O grande general hebreu, só se tornou um vitorioso porque ergueu um altar de pedras inteiras ao Senhor. Se Deus te chama para uma grande obra e lhe disse que irá lhe usar grandemente, então, não permita que sua vida seja colocada diante dEle, como um altar, feito de pedras quebradas, ou seja, seja sua vida apresentada sem a devida santidade exigida em Sua Palavra, tendo como hábito a oração e a dedicação a sua Palavra. O altar edificado por Josué teve um outro significado, o de manter viva a chama da gratidão. Josué fez como Moisés ordenara, conforme o que Moisés deixará escrito na lei, cujo maior propósito era o de agradecimento ao Senhor por tudo que Ele fizera ao povo de Israel. Jesus certa vez deparou-se com dez altares destruído, doentes, que não mais ofereciam sacrifícios aos Senhor, abandonados pela sociedade judaica e destinados à morte. Eram dez leprosos, os quais Jesus os curou, porém, somente um foi capaz de voltar e agradecer a cura, a restauração de seu altar e o mesmo recebeu o selo de garantia, a salvação; “Então, Jesus lhe perguntou: não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove? Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? E disse-lhe: levanta-te e vai, a tua fé te salvou.” (Lc 17.17-19). Quando o homem edifica o seu altar diante do Senhor, ou seja, coloca a sua vida à disposição do Espírito Santo, então, tudo muda em seu viver.