“Porém ele lhe disse: Eis que há nesta cidade um homem de Deus, e homem honrado é; tudo quanto diz, sucede assim infalivelmente; vamo-nos agora lá;  porventura nos mostrará o caminho que devemos seguir.” (1 Samuel 9.6).

Quando Jetro visitou a Moisés, seu genro, ele viu que Moisés não estava tendo muito rendimento em seu ofício sacerdotal, pois passava o dia inteiro atendendo as questões que o povo lhe trazia, e com isso não sobrava tempo para ele cuidar de si mesmo e nem da família, restando assim pouco tempo para ele consultar ao Senhor, então, ele lhe deu conselhos e um deles foi para que Moisés escolhesse dentre as doze tribos um líder que pudesse ouvir o povo e as questões mais complexas lhe trouxesse. Ele pediu a Moisés que escolhesse homens de verdade: “E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta, e maiorais de dez” (Êxodo 18.21). Neste mundo viu e pecador, onde o pecado aflora por todos os cantos deste planeta, é preciso que valorizemos os homens de Deus, que intercedamos por eles, a fim de que eles se mantenham íntegros e tementes a Deus, não se desviando nem para a direita e nem para a esquerda, mas que cumpram o seu ministério com brilhantismo, odiando a avareza e sendo eficazes naquilo que fazem em prol do reino de Deus. Ser homem de verdade é saber se conduzir bem diante do Senhor, da família e do rebanho sob sua responsabilidade ou de seus liderados. Uma das palavras que nos serve de referência é a admoestação que Davi deu a seu filho Salomão: “Coragem, pois, e sê homem!” (1 Reis 2.2). Davi não duvidava da masculinidade e nem da hombridade de Salomão, mas queria que ele fosse responsável por si mesmo, por sua família e também pelo povo, pois ele iria substituir o maior rei de todos os tempos em Israel. Deus está à procura de um homem que possa fazer a sua obra, um homem que tenha qualidades santificadas e um caráter afinado com a Palavra de Deus, que possa a cada dia produzir o fruto do Espírito: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5.22).