Aprendendo a viver debaixo das bênçãos de Deus

“Guarda, pois os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje, para que te vá bem a ti, e a teus filhos depois de ti, e para que prolongues os dias na terra que o Senhor teu Deus te dá para todo sempre” (Deuteronômio 4.40).

O Senhor estabeleceu a bênção, a vida e o viver em paz para o homem e seus filhos, bastando tão somente ele obedecer Seus mandamentos e honrá-los. Na velha aliança Deus apresentou a Israel as promessas condicionais, ou seja, se cumprissem a parte que a eles competia, Ele, o Senhor cumpriria a dEle. Na nova aliança, Jesus Cristo é o eterno advogado, que faz a ponte entre Deus e o homem. Ele mesmo cumpriu toda a Lei para que os que nEle crerem possam comer os bens desta terra e consequentemente alcançar a vida eterna com Deus. A Palavra de Deus diz: “Será, pois, que se ouvindo estes juízos, os guardares e cumprires, o Senhor teu Deus te guardará a aliança, e misericórdia prometida sob juramento a teus pais; ele te amará, e te fará multiplicar; também abençoará os teus filhos, o fruto da tua terra, o teu cereal, o teu vinho e o teu azeite, e as crias das tuas vacas, e das tuas ovelhas, na terra que, sob juramento a teus pais prometeu dar-te. Bendito serás mais do que todos os povos, não haverá entre ti nem homem nem mulher estéril, nem entre os teus animais. O Senhor afastará de ti toda enfermidade, sobre ti não colocará nenhuma das doenças malignas dos egípcios, que bem sabes, antes as colocará sobre todos os que te odeiam” (Deuteronômio 7.13-15). As promessas nos versículos em lide são bem claras. As bênçãos de Deus sobre a longevidade, a saúde, apropriação do povo, bem como de animais, e sobre a própria terra e sua produção, dependeriam da aliança que fizeram com Deus. Foi por guardarem as alianças de Deus em suas vidas que os patriarcas colheram as promessas que o Senhor os tinha dado, bem como, foi por quebrarem as alianças e a palavra de Deus que angariaram maldições para as suas vidas e as de seus filhos. Raquel, esposa de Jacó é um exemplo bem nítido na Bíblia. Por ela ser idólatra e não servia ao Senhor Deus de todo coração, acabou quebrando os mandamentos e além de ser estéril trouxe também sérios problemas espirituais para Jacó e toda sua família. Procurado por Labão seu sogro, que buscava achar quem tivesse roubado os seus ídolos, Jacó amaldiçoou a quem tivesse furtado os ídolos de Labão, não sabendo ele que os tais estavam com sua esposa Raquel. Ela tornou-se vítima da maldição de Jacó e faleceu a dar à luz ao seu filho Benjamim (Gênesis 35.16-18). Ela havia quebrado o concerto, a aliança e servido a idolatria, a outros deuses. Quantas vezes alguns não conseguem entender o porquê de certos acontecimentos, alguns deles fatais e trágicos sobre a família. Até parece que no caso de Raquel nada tem a ver, pois, provavelmente, ela faleceu algum tempo depois. Porém, isto é princípio espiritual, nem sempre a maldição acontece de imediato, em alguns casos ela sobrevêm tempos depois. A idolatria que estava oculta no coração de Raquel, tornou as coisas difíceis para si própria. Seu casamento foi conturbado, descobriu que era estéril, viu seu marido se apegar mais a Lia que lhe dava filhos. Reagiu aos seus problemas contrariando a Palavra de Deus, pois recorreu a “simpatias” de sua época, através das mandágoras que Rubém, o primogênito de Lia trouxe do campo para ela (Gênesis 30.114). Por todo este comportamento vemos um caráter incrédulo, idólatra e supersticioso. Por isso, a maldição de Jacó pegou em cheio na vida de Raquel. Aprenda a viver debaixo das bênçãos de Deus, bastando tão unicamente observar a Sua Palavra e cumpri-la de todo coração.

Aprendendo a viver debaixo das bênçãos de Deus

“Guarda, pois os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje, para que te vá bem a ti, e a teus filhos depois de ti, e para que prolongues os dias na terra que o Senhor teu Deus te dá para todo sempre” (Deuteronômio 4.40).

O Senhor estabeleceu a bênção, a vida e o viver em paz para o homem e seus filhos, bastando tão somente ele obedecer Seus mandamentos e honrá-los. Na velha aliança Deus apresentou a Israel as promessas condicionais, ou seja, se cumprissem a parte que a eles competia, Ele, o Senhor cumpriria a dEle. Na nova aliança, Jesus Cristo é o eterno advogado, que faz a ponte entre Deus e o homem. Ele mesmo cumpriu toda a Lei para que os que nEle crerem possam comer os bens desta terra e consequentemente alcançar a vida eterna com Deus. A Palavra de Deus diz: “Será, pois, que se ouvindo estes juízos, os guardares e cumprires, o Senhor teu Deus te guardará a aliança, e misericórdia prometida sob juramento a teus pais; ele te amará, e te fará multiplicar; também abençoará os teus filhos, o fruto da tua terra, o teu cereal, o teu vinho e o teu azeite, e as crias das tuas vacas, e das tuas ovelhas, na terra que, sob juramento a teus pais prometeu dar-te. Bendito serás mais do que todos os povos, não haverá entre ti nem homem nem mulher estéril, nem entre os teus animais. O Senhor afastará de ti toda enfermidade, sobre ti não colocará nenhuma das doenças malignas dos egípcios, que bem sabes, antes as colocará sobre todos os que te odeiam” (Deuteronômio 7.13-15). As promessas nos versículos em lide são bem claras. As bênçãos de Deus sobre a longevidade, a saúde, apropriação do povo, bem como de animais, e sobre a própria terra e sua produção, dependeriam da aliança que fizeram com Deus. Foi por guardarem as alianças de Deus em suas vidas que os patriarcas colheram as promessas que o Senhor os tinha dado, bem como, foi por quebrarem as alianças e a palavra de Deus que angariaram maldições para as suas vidas e as de seus filhos. Raquel, esposa de Jacó é um exemplo bem nítido na Bíblia. Por ela ser idólatra e não servia ao Senhor Deus de todo coração, acabou quebrando os mandamentos e além de ser estéril trouxe também sérios problemas espirituais para Jacó e toda sua família. Procurado por Labão seu sogro, que buscava achar quem tivesse roubado os seus ídolos, Jacó amaldiçoou a quem tivesse furtado os ídolos de Labão, não sabendo ele que os tais estavam com sua esposa Raquel. Ela tornou-se vítima da maldição de Jacó e faleceu a dar à luz ao seu filho Benjamim (Gênesis 35.16-18). Ela havia quebrado o concerto, a aliança e servido a idolatria, a outros deuses. Quantas vezes alguns não conseguem entender o porquê de certos acontecimentos, alguns deles fatais e trágicos sobre a família. Até parece que no caso de Raquel nada tem a ver, pois, provavelmente, ela faleceu algum tempo depois. Porém, isto é princípio espiritual, nem sempre a maldição acontece de imediato, em alguns casos ela sobrevêm tempos depois. A idolatria que estava oculta no coração de Raquel, tornou as coisas difíceis para si própria. Seu casamento foi conturbado, descobriu que era estéril, viu seu marido se apegar mais a Lia que lhe dava filhos. Reagiu aos seus problemas contrariando a Palavra de Deus, pois recorreu a “simpatias” de sua época, através das mandágoras que Rubém, o primogênito de Lia trouxe do campo para ela (Gênesis 30.114). Por todo este comportamento vemos um caráter incrédulo, idólatra e supersticioso. Por isso, a maldição de Jacó pegou em cheio na vida de Raquel. Aprenda a viver debaixo das bênçãos de Deus, bastando tão unicamente observar a Sua Palavra e cumpri-la de todo coração.

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook