Deus não investe em pessoas fracas

“Sabe, porém, isto que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos” (2 Timóteo 3.1).

Porque Deus não investe em pessoas fracas? O apóstolo Paulo nos dá a resposta: “Mas nem em todos há conhecimento; porque alguns até agora comem, com consciência do ídolo, coisas sacrificadas ao ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, fica contaminada.” (1 Coríntios 8.7). É preciso que o homem que aceitou o Evangelho pela fé e que está disposto a pagar um preço para seguir a Cristo, seja forte de cabeça, saiba perfeitamente o que quer e a quer se propõe em seguir. Jesus espera que cada um seja forte de espírito e se anime para lutar contra as hostes da maldade que se levantam para destruir a todos quantos são criaturas e filhos de Deus. O mesmo apóstolo, diz que existem duas classes de pessoas: as fortes e as fracas. As fracas ele as considera doentes, pois dormem não se despertando para ser usado de forma gloriosa pelo Espírito Santo: “Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem.” (1 Co 11.30). Por que dormem? Por que estão doentes? Por que estão fracos na fé? É porque não conseguem se examinar a si mesmo; reconhecer um possível erro de conduta. Eles não aceitam a correção e, tão pouco, são humildes para pedirem perdão ao Senhor. Por isso estão sofrendo e padecendo necessidades de toda a ordem em suas vidas, não somente material, mas muito mais espiritual. Deus está à procura de um homem que seja forte, capaz de aceitar e executar a vontade de Deus em sua vida, de modo que o Espírito Santo tenha plena liberdade de usá-lo na obra do Senhor a fim de promover o crescimento do Reino do Pai celestial. Alguém que mesmo estando sujeito as fraquezas humanas possa, contudo, se erguer e não ficar prostrado, mas se levantar e dizer, eis-me aqui Senhor, usa-me a mim. Paulo dizia: “Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.” (2 Co 12.10). Paulo não era conformado com o sofrimento, nem com as intempéries que a vida lhe aprontava, mas era forte, capaz de suportar todo ódio dos judeus, das autoridades, do Sinédrio, por amor a Jesus Cristo. Um desabafo humano fez Paulo aos Coríntios: “Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres e nós vis. Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.” (1 Co 4.9-13). Mesmo passando por todas essas necessidades e dificuldades de toda a ordem, não foram motivos para frear a caminha do apóstolo dos gentios. Ele sempre encontrava força em Cristo para caminhar. Deus não investe em pessoas fracas, mas fortes que tenham fé nEle e estejam prontas para padecerem pelo Seu nome.

Deus não investe em pessoas fracas

“Sabe, porém, isto que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos” (2 Timóteo 3.1).

Porque Deus não investe em pessoas fracas? O apóstolo Paulo nos dá a resposta: “Mas nem em todos há conhecimento; porque alguns até agora comem, com consciência do ídolo, coisas sacrificadas ao ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, fica contaminada.” (1 Coríntios 8.7). É preciso que o homem que aceitou o Evangelho pela fé e que está disposto a pagar um preço para seguir a Cristo, seja forte de cabeça, saiba perfeitamente o que quer e a quer se propõe em seguir. Jesus espera que cada um seja forte de espírito e se anime para lutar contra as hostes da maldade que se levantam para destruir a todos quantos são criaturas e filhos de Deus. O mesmo apóstolo, diz que existem duas classes de pessoas: as fortes e as fracas. As fracas ele as considera doentes, pois dormem não se despertando para ser usado de forma gloriosa pelo Espírito Santo: “Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem.” (1 Co 11.30). Por que dormem? Por que estão doentes? Por que estão fracos na fé? É porque não conseguem se examinar a si mesmo; reconhecer um possível erro de conduta. Eles não aceitam a correção e, tão pouco, são humildes para pedirem perdão ao Senhor. Por isso estão sofrendo e padecendo necessidades de toda a ordem em suas vidas, não somente material, mas muito mais espiritual. Deus está à procura de um homem que seja forte, capaz de aceitar e executar a vontade de Deus em sua vida, de modo que o Espírito Santo tenha plena liberdade de usá-lo na obra do Senhor a fim de promover o crescimento do Reino do Pai celestial. Alguém que mesmo estando sujeito as fraquezas humanas possa, contudo, se erguer e não ficar prostrado, mas se levantar e dizer, eis-me aqui Senhor, usa-me a mim. Paulo dizia: “Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.” (2 Co 12.10). Paulo não era conformado com o sofrimento, nem com as intempéries que a vida lhe aprontava, mas era forte, capaz de suportar todo ódio dos judeus, das autoridades, do Sinédrio, por amor a Jesus Cristo. Um desabafo humano fez Paulo aos Coríntios: “Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres e nós vis. Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.” (1 Co 4.9-13). Mesmo passando por todas essas necessidades e dificuldades de toda a ordem, não foram motivos para frear a caminha do apóstolo dos gentios. Ele sempre encontrava força em Cristo para caminhar. Deus não investe em pessoas fracas, mas fortes que tenham fé nEle e estejam prontas para padecerem pelo Seu nome.

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook