“Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganhado; antes, recebamos o inteiro galardão.” (2 João 8).

Tudo passa tão rápido, é tão corrido, nem bem o sol nasce, ele logo se põe, e não se tem tempo para olhar as estrelas no céu. São frases como essas ditas com frequência por muitos no dia a dia que me chamam à atenção hoje. Trata-se de uma verdade, tudo acontece numa velocidade supersônica, é o reflexo da globalização e da secularização. Da mesma maneira como o mundo corre como um rio caudaloso por entre as cordilheiras em direção as partes mais baixas, numa rapidez incrível, assim é a vida de alguns cristãos que, ao descobrirem os seus talentos, e a abundância de dons espirituais que o Espírito Santo lhe concedeu, bem como a riqueza de qualidades para liderar, eles se lançam em busca de objetivos espirituais, de fazer crescer o Reino de Deus e é até louvável suas atitudes, porém, alguns são insensatos pois na corrida desenfreada pelo sucesso acabam se esquecendo de cuidarem de si mesmos. “Olhai por vós mesmos”, essa é a exortação do apóstolo João. Como eu posso cuidar de alguém, orientar o rebanho de Deus, ou até mesmo pastoreá-lo de maneira sábia e correta, se eu não olhei para dentro de mim mesmo? Há muitos líderes que estão se arrastando em seus ministérios porque vivem uma vida dúbia, estão necessitados de ajuda espiritual, estão feridos na alma, atravessam dificuldades no casamento, na família e não conseguem se firmar como uma grande liderança, ou seja, não têm vida espiritual capaz de influenciar suas ovelhas, seus seguidores, ou seja, deixam muito a desejar. Tais obreiros precisam de um “stop” em suas vidas e permitirem o Espírito Santo tratar diretamente com eles. O escritor de Atos dos apóstolos escreve: “Olhai, pois, para vós e por todo o rebanho sobre o que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele regatou com seu próprio sangue” (Atos 20.28). Deus está à procura de líderes que possam executar o Seu Plano de Salvação, porém, aqueles que se apresentam não chegam diante do Espírito Santo em estado de submissão e humildade, e em vês de pararem para receber as orientações de Cristo, optam em apresentar suas próprias ideias e planos, os quais muitas vezes são ótimos para a igreja de Cristo, porém, não são eficazes. Na implantação dos mesmos faz-se necessário uma olhada para dentro de si mesmo, para o homem interior, o qual muitas vezes não estão prontos para apascentarem o rebanho, porque a mercadoria apresentada pelo líder não é boa. Muitos líderes poderiam ser extremamente úteis ao Senhor e a Sua obra, todavia, faz-se necessário que eles aceitem submeter-se a um treinamento para se tornarem verdadeiros líderes. Que eles procurem se conhecer a si mesmos e assim possam ser bons líderes, bons obreiros e excelentes pastores. Tais líderes precisam reconhecer o potencial que tem e de maneira humilde buscar ajuda em Deus a fim de alcançarem com êxito o auge de seus ministérios. A carreira não é tão fácil assim, e termina-la bem como fez Paulo, é um desafio que requer sacrifício e comunhão íntima com o Senhor Jesus Cristo. Meu conselho a você meu amigo e irmão em Cristo, é que não comesse nada pelo fim, mas pelo início de tudo. Subindo os degraus da vida e os ministeriais, um por um.

“Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganhado; antes, recebamos o inteiro galardão.” (2 João 8).

Tudo passa tão rápido, é tão corrido, nem bem o sol nasce, ele logo se põe, e não se tem tempo para olhar as estrelas no céu. São frases como essas ditas com frequência por muitos no dia a dia que me chamam à atenção hoje. Trata-se de uma verdade, tudo acontece numa velocidade supersônica, é o reflexo da globalização e da secularização. Da mesma maneira como o mundo corre como um rio caudaloso por entre as cordilheiras em direção as partes mais baixas, numa rapidez incrível, assim é a vida de alguns cristãos que, ao descobrirem os seus talentos, e a abundância de dons espirituais que o Espírito Santo lhe concedeu, bem como a riqueza de qualidades para liderar, eles se lançam em busca de objetivos espirituais, de fazer crescer o Reino de Deus e é até louvável suas atitudes, porém, alguns são insensatos pois na corrida desenfreada pelo sucesso acabam se esquecendo de cuidarem de si mesmos. “Olhai por vós mesmos”, essa é a exortação do apóstolo João. Como eu posso cuidar de alguém, orientar o rebanho de Deus, ou até mesmo pastoreá-lo de maneira sábia e correta, se eu não olhei para dentro de mim mesmo? Há muitos líderes que estão se arrastando em seus ministérios porque vivem uma vida dúbia, estão necessitados de ajuda espiritual, estão feridos na alma, atravessam dificuldades no casamento, na família e não conseguem se firmar como uma grande liderança, ou seja, não têm vida espiritual capaz de influenciar suas ovelhas, seus seguidores, ou seja, deixam muito a desejar. Tais obreiros precisam de um “stop” em suas vidas e permitirem o Espírito Santo tratar diretamente com eles. O escritor de Atos dos apóstolos escreve: “Olhai, pois, para vós e por todo o rebanho sobre o que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele regatou com seu próprio sangue” (Atos 20.28). Deus está à procura de líderes que possam executar o Seu Plano de Salvação, porém, aqueles que se apresentam não chegam diante do Espírito Santo em estado de submissão e humildade, e em vês de pararem para receber as orientações de Cristo, optam em apresentar suas próprias ideias e planos, os quais muitas vezes são ótimos para a igreja de Cristo, porém, não são eficazes. Na implantação dos mesmos faz-se necessário uma olhada para dentro de si mesmo, para o homem interior, o qual muitas vezes não estão prontos para apascentarem o rebanho, porque a mercadoria apresentada pelo líder não é boa. Muitos líderes poderiam ser extremamente úteis ao Senhor e a Sua obra, todavia, faz-se necessário que eles aceitem submeter-se a um treinamento para se tornarem verdadeiros líderes. Que eles procurem se conhecer a si mesmos e assim possam ser bons líderes, bons obreiros e excelentes pastores. Tais líderes precisam reconhecer o potencial que tem e de maneira humilde buscar ajuda em Deus a fim de alcançarem com êxito o auge de seus ministérios. A carreira não é tão fácil assim, e termina-la bem como fez Paulo, é um desafio que requer sacrifício e comunhão íntima com o Senhor Jesus Cristo. Meu conselho a você meu amigo e irmão em Cristo, é que não comesse nada pelo fim, mas pelo início de tudo. Subindo os degraus da vida e os ministeriais, um por um.