“Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mateus 28.19,20).

Na ansiedade de se cumprir o ide de Jesus Cristo, a Sua Igreja tem, ao longo dos séculos, imprimido um ritmo forte e diversificado, procurando as melhores estratégias para que a divulgação da mensagem do Evangelho viesse a alcançar inúmeros povos e nações, de modo que o nome de Jesus fosse conhecido como o é nos dias de hoje. É bem verdade que ainda existe muitos povos não alcançados pela mensagem salvadora do Evangelho, porém, a Igreja do Senhor Jesus não tem desistido de anunciar as Boas Novas, mesmo diante das ameaças de outras religiões e seitas que são contrárias a fé que aponta e divulga Jesus “Cristo como único e suficiente Salvador: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4.12). “Deixa-as no mar!”, foi a ordem do comandante de um navio onde um dos meus co-cunhados estava embarcado, depois dele ter visto que várias garrafas foram lançadas de seu navio, em pleno alto mar. Ele quando do passadiço viu várias garrafas serem lançadas de bordo, mandou que o navio manobrasse e recolhessem as garrafas. Os marinheiros que lançaram as referidas garrafas ficaram deveras preocupados, todos eles eram cristãos, que estavam embarcados. O comandante, depois de analisar o conteúdo de cada garrafa verificou que se tratava de diversificadas mensagens extraídas dos Evangelhos e de outros livros da Bíblia. Mensagens que, certamente, trariam alento aos corações doridos e sem salvação. Então, o comandante disse aos seus subordinados: “Deixa-as no mar!”, elas poderão ajudar as pessoas oprimidas e carentes de Deus, caso as achem. Os marinheiros cristãos daquele navio arriscaram suas carreiras em prol da divulgação do Evangelho. A estratégia até certo ponto foi proveitosa, porém, somente na eternidade é que vamos saber se ela foi eficaz ou não, se atingiu o objetivo de salvação ou não. Uma coisa todo cristão sabe: “A Palavra de Deus não volta para o Senhor vazia, antes alcançará o objetivo proposto”.