“Jardim fechado és tu, irmã minha, esposa minha, manancial fechado, fonte selada” (Cantares 2.12).

A Igreja do Cordeiro, Jesus Cristo é comparada a um jardim fechado, logo, não tem como o inimigo entrar e destruir as preciosas rosas do Senhor. Há um hino que fala do jardineiro que chora, justamente porque uma rosa bela e linda, perfumada como o perfume do mais puro amor acabou caindo no chão devido o vento que soprou forte. Esse vento às vezes é proporcionado pelos acidentes da natureza. Quantas rosas e lírios do Jardim de Cristo, tem perecido devido as fatalidades da vida; outros são impelidos para o mundo devido o vendaval provocado pelos negócios impuros desta vida, que não dando tempo para a pessoa se livrar, acaba envolvendo o servo e a serva de Deus num laço de perdição e a morte espiritual é inevitável, quando não morre fisicamente. Outras rosas caem no chão, porque chegou à hora de partir para glória, então a água da vida que é Cristo a arrasta até o lago de águas límpidas e cristalinas. Nós que convivemos no jardim e acompanhamos a rosa nascer, desabrochar e exalar o perfume, choramos, choramos e ficamos muitas vezes inconsoláveis, mas Deus é o dono do jardim e sabe o momento de recolher as suas rosas preferidas. Hoje, Jesus recolheu mais uma rosa de seu jardim e por isso estamos com o coração choroso, mas feliz porque sabemos que a rosa foi colhida por Cristo e está, agora num jardim melhor do que o nosso. É muito gratificante quando Deus recolhe alguém para a glória cujo muro da salvação estava erguido e firme. Descansa em paz rosa querida de Cristo! A família sabe de quem estou falando!.