“E disse-lhes: Vem porventura a candeia (lamparina) para se meter debaixo do alqueire, ou debaixo da cama? não vem antes para se colocar no velador?” (Mateus 4.21).

A vida do cristão é comparada a muitas coisas: a vaso, a templo do Espírito Santo, a sal, a luz e também a uma lamparina acesa. Não adianta ser uma lamparina bem apresentada, bonita e decorativa, mas um instrumento que possa produzir luz a um ambiente que não tem muita luminosidade. Ouvindo outro dia um pregador, ele disse que no seu tempo de criança, seus saiam para a igreja e deixavam a lamparina em cima da mesa. Quando chegavam da igreja, geralmente no escuro, então seu pai e às vezes sua mãe saiam apalpando até achar o fósforo e a lamparina. Quase sempre eles se sujavam quando colocavam a mão no pavio da lamparina. É comum a lamparina ficar suja mesmo. O pavio, dependendo do combustível a ser queimado solta realmente uma borra e, pode sim sujar a mão de quem procura segurá-la. A vida cristã é comparada a uma lamparina acesa. Não aquela que é colocada debaixo de uma cama, mas aquela que é posta num velador, bem no alto para que todos a possam ver e que venha a iluminar todo o ambiente necessário. A lamparina ou candeia do corpo, a Bíblia diz que são os nossos olhos. Se eles forem bons, iluminarão não somente o seu caminho, mas a vereda de todos quantos estiverem ao seu lado. Se teu corpo estiver em trevas, sem luz, então, ele está sem a presença de Cristo, a luz verdadeira. Se seu corpo está em trevas, é porque os teus olhos que deveriam iluminar o seu corpo não está exercendo esse papel, ou seja, eles não são bons e sim maus: “A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz.” (Mt 6.22). A lamparina deve está sempre limpa e, principalmente, acesa no velador.