O conteúdo da Carta!

“E escreveu uma carta, que continha isto: (Atos 23.25).

Hoje, escrever uma carta não é muito comum entre as pessoas. Houve época em que a carta era um instrumento que circulava com mais frequência em nosso território nacional. Com o advento do e-mail e outras modernidades cibernéticas, a carta perdeu parte de seu impressionante brilho, mas ela existe e quando é bem escrita pode trazer alegrias ou tristezas para quem a recebe. A carta a que se refere o texto em lide, foi trocada entre duas autoridades romanas à época do apóstolo Paulo. Cláudio Lisas era o Tribuno da Corte de Jerusalém. Tribuno no grego quer dizer “chefe de mil”, logo, um homem de grandes responsabilidades que alcançou a sua cidadania romana comprando-a por uma soma volumosa de dinheiro: “E, vindo o tribuno, disse-lhe: Dize-me, és tu romano? E ele disse: Sim. E respondeu o tribuno: Eu com grande soma de dinheiro alcancei este direito de cidadão. Paulo disse: Mas eu o sou de nascimento.” (At 22.27,28). Lisas, escreveu a carta para o Procurador da província romana da Judéia chamado Félix, do latim “Feliz”, homem também possuidor de grande autoridade. Paulo referindo-se a Félix durante a sua defesa, o chamou de Juíz: “Paulo, porém, fazendo-lhe o presidente sinal que falasse, respondeu: Porque sei que já vai para muitos anos que desta nação és juiz, com tanto melhor ânimo respondo por mim.” (Atos 24.10). O conteúdo da carta é que é importante e ele nos traz um alerta: os judeus armaram ciladas para Paulo; os judeus acusaram Paulo indevidamente, sem causa e por pura inveja, porquanto, o Tribuno não achou nele crime algum: “Cláudio Lísias, a Félix, potentíssimo presidente, saúde. Esse homem foi preso pelos judeus; e, estando já a ponto de ser morto por eles, sobrevim eu com a soldadesca, e o livrei, informado de que era romano. E, querendo saber a causa por que o acusavam, o levei ao seu conselho. E achei que o acusavam de algumas questões da sua lei; mas que nenhum crime havia nele digno de morte ou de prisão. E, sendo-me notificado que os judeus haviam de armar ciladas a esse homem, logo to enviei, mandando também aos acusadores que perante ti digam o que tiverem contra ele. Passa bem.” (Atos 23.26-30). Até hoje essa prática continua a assombrar muitas pessoas: “acusações sem fundamento” e “invejas e ciúmes”. Se você se considera um cristão verdadeiro, autêntico e fiel, filho do Deus Altíssimo, então é preciso assumir que você tem: “a mente de Cristo”: “Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.” (1 Co 2.16). Quem tem a mente de Cristo não acusa ninguém tempestivamente e sem fundamento, nem tão pouco é invejoso e ciumento no trato da obra de Deus. Quantos estão mortos espiritualmente porque não atentaram para o conteúdo das cartas paulinas e das demais cartas/epístolas do Novo Testamento? Quantos estão vivos porque do conteúdo delas tiraram e continuam tirando lições de vida e ensinamentos doutrinários que até o momento estão lhes garantindo a vida eterna? Quantos já se encontram na glória porque não negligenciaram as doutrinas que se encontram nessas cartas e nelas meditaram de dia e de noite? Há conteúdos em algumas cartas que produzem alegrias e outros que produzem tristezas. Se Urias, o grande guerreiro hebreu, a serviço do rei Davi tivesse lido a carta que ele transportava para Joabe, o capitão dos exércitos judaicos, ele certamente, teria sobrevivido, pois o conteúdo da carta era a sua sentença de morte (2 Sm 11.14). Tércio escreveu uma das cartas mais lindas do Novo Testamento, ditada por Paulo que é o autor, a carta aos romanos: “Eu, Tércio, que esta carta escrevi, vos saúdo no Senhor.Romanos.” – Rm 16.22). Certa vez o rei de Israel recebeu uma carta que lhe causou muita tristeza, pois o conteúdo da carta lhe mandava curar Naamã, o general do exército Sírio, de sua lepra: “E levou a carta ao rei de Israel, dizendo: Logo, em chegando a ti esta carta, saibas que eu te enviei Naamã, meu servo, para que o cures da sua lepra.” (2 Rs 5.6). Qual o conteúdo de sua carta ao mundo? É algo que proporciona edificação, alegria ou tem trazido desconforto e tristezas para algumas pessoas? Saiba que todo cristão deve ser como uma carta para ser lida a toda sociedade: “Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.” (2 Co 3.2). Não permita que Satanás faça de você um mata-borrão, onde todo mundo lhe risca e rabisca o seu bom conteúdo existente dentro de você. Você é a carta de Cristo e todos precisam ler o que de bom você tem no seu homem interior. Melhore o conteúdo de sua carta, refaça o que está em desacordo com a Palavra de Deus. siga o conselho de Paulo: “examine-se o homem a si mesmo!

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook