“E aconteceu que, passados os quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito.” (Êxodo 12.41).

Esse grande evento da passagem em lide se chamou Êxodo, a saída de Israel do domínio do Egito, onde Faraó regia o povo com requinte de crueldade. Esta semana, o povo que forma o Reino Unido foi às urnas para expressar a opinião de ficar ou não como membro da União Europeia (UE). O resultado foi apertado e prevaleceu os votos dos que optaram em sair da União Europeia. O termo “BREXIT” é a união de dois termos ingleses: “britain”, um diminutivo referindo-se a Grã-Bretanha, ou mais precisamente ao Reino Unido e “exit”, em inglês saída, logo saída do Reino Unido da União Europeia. A igreja precisa orar pelos povos. Toda divisão enfraquece e a minha preocupação não se prende à saída ou não do povo britânico da UE, mas a discórdia entre os países que formam o Reino Unido. A Bíblia diz: “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer.” (1 Co 1.10). Não tenho nenhuma pretensão em fazer uma análise política ou comentar o risco ou não da decisão dos britânicos. Respeito a decisão do povo inglês, porém, é preciso avaliar as repercussões desse referendo entre todos os países que formam o Reino Unido, para que não haja divisão e nem discórdia generalizada entre eles, culminando assim na perda do fortalecimento desse povo que tem um princípio cristão. Não foi ano passado que o Reino Unido aderiu à União Europeia, isso aconteceu em 1973,  e isso já se vão 43 anos, tempo suficiente para se fazer uma análise criteriosa sobre o sair ou não da Comunidade Europeia. O que eu peço é para que a Comunidade Evangélica orar, interceder pelo Reino Unido a fim de que haja paz entre eles. Que eles possam buscar a paz e segui-la: “Aparte-se do mal, e faça o bem; Busque a paz, e siga-a.” (1 Pedro 3.11). Amém!