“Pela fé Jacó, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou encostado à ponta do seu bordão.” (Hebreus 11.21).

Quando penso que já vi e ouvi de tudo, sempre sou surpreendido com alguma novidade. Estou às vésperas de completar sessenta anos de idade e hoje, quando perguntei a um irmão em Cristo se ele tinha ido ao hospital, ou melhor, à UPA (Unidade de  Pronto Atendimento), ele me respondeu: “Só vou à UPA quando já estou “no bico do urubu”. Sinceramente, nunca tinha ouvido essa expressão.Pois bem, já que, “no bico do urubu, ou do corvo” é uma expressão semelhante a “trocando as pernas”, “a beira da morte” ou “próximo da morte”, ou seja, em situação de debilitação, então, eu digo: ao primeiro sintoma de qualquer dor ou desconforto, é bom recorrer aos cuidados do médico, pois variadas são as doenças e por sua vez, difícil de ser diagnosticada.Outro dia, fui ao médico e, tinha uma ligeira certeza de qual seria a causa da dor que estava sentindo, mas fiquei quieto. Depois de conversar com o doutor o meu pressentimento estava certo, porém, ele levou algum tempo debruçado sobre um livro para me receitar o remédio certo.Na vida espiritual acontece igualzinho. A pessoa só recorre a Deus quando está “nos braços do adversário”, ou quando o inimigo faz dá pessoa um tapete, o qual pode passar por cima a hora que quer, e o mais interessante é que Eli ainda limpa os pés, em nós sujando a pessoa. O Diabo só fica satisfeito quando o crente morre espiritualmente.“No bico do urubu”, tem sido a situação de algumas pessoas que não estão em plena comunhão com o Senhor Jesus. São crentes andando de qualquer maneira, sem doutrina, sem disciplina e sem observar as normas da Palavra de Deus, ou seja, eles arrastam seus pés como estivessem sem força, sem nenhum ânimo para prosseguir na batalha espiritual. Estão “maus das pernas”, ou melhor, da alma; e porque não dizer “no bico do corvo”.Pessoas assim, com essa “hepatite espiritual”, já avançou para o quadro de desnutrição, estado em que a alma não se alimenta eficazmente da Palavra de Deus. O crente enfermo de alma, não consegue se alimentar bem das palavras que saem da boca de Deus e nem na Bíblia medita (Salmo 1).O crente sadio de alma tem que ser como o patriarca Jacó, mesmo que esteja próximo da morte, ou no “no bico do urubu”, tem força para abençoar. Ele, quase à beira de partir para a glória eterna, ele ainda teve tempo e disposição para abençoar seus filhos e netos, além de ter força suficiente para adorar ao Senhor, mesmo tendo o seu cajado como ponto de apoio: “Pela fé Jacó, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou encostado à porta do seu bordão”.Não permita qu sua vida espiritual esteja “no bico do urubu!”