Também vimos ali gigantes, filhos de Anaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos.” (Números 13.33).

Dez contra dois quem vence? Moisés tinha determinado que doze homens escolhidos, um de cada tribo, fossem espiar as terras de Canaã e lhe trouxessem informações estratégicas que o convencesse sobre a promessa feita por Deus a Abraão: terra que mana leite e mel, terra próspera e abençoada. A terra manava leite e mel. Algo extraordinário, porém, dez dos espias começaram a desanimar e pôr medo no povo. Eles olharam para o tamanho dos soldados, os filhos de Anaque, muitos gigantes; cidades muradas e fortificadas e se consideraram como gafanhotos, exceto Josué e Calebe que mantiveram a sua fé no Deus que abriu o mar Vermelho e destruiu o exército de Faraó. O cristão não faz ideia do que ele pode e é capaz ao lado de Cristo e sob a orientação do Espírito Santo. “Maior é o que está em nós do que o que está no mundo”. Se Moisés não fosse um líder experimentado e não tivesse experiências com Deus, ao ouvir o relato dos dez espias, dos famigerados gafanhotos, então ele teria voltado para o Egito imediatamente, porém, Ele conhecia Deus, sabia do que o Senhor era capaz, porquanto Ele já tinha lhe dado provas suficientes do seu amor pelo povo e do seu grande poder, por isso, mesmo com um exército em formação e poucos guerreiros, ele resolveu enfrentar os povos em sua volta e os venceu pelo poder celestial. Não se compare ao gafanhoto, mas tenha a força do leão da tribo de Judá, e a unção do Senhor Deus em sua vida e então, seja mais do que vencedor em Cristo Jesus. Você e eu não somos uma pessoa qualquer, somos na verdade filhos de Deus!