“E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.” (2 Timóteo 3.12).

 

Quer conhecer o mundo como ele realmente é? Então, comece a andar pelas ruas e observe os “donos do pedaço”. Uns cuidam de alguns espaços que antigamente chamávamos de públicos. Você não tem sossego, nem paz, pois eles estão por todos os lugares, são pessoas necessitadas, outros com expressões de sofrimento, outros com sintomas de quem estão tremendamente endemoninhados, precisando urgentemente de libertação e de salvação. Eles não entram nas igrejas, eles fogem da família, dos parentes e se lançam por esse mundo pedindo alguma coisa a um e a outro. Alguns invadem as lixeiras e catam algum resto de comida, o que provoca no meu íntimo uma dor inexplicável. A realidade do mundo é algo que causa dó e tristeza na alma. Esses que estão nas ruas, e que precisam do meu e do seu amor, crescem e outros até nascem ali mesmo e se criam ali. É uma realidade que tem tomado conta das grandes metrópoles. O que fazer por essas pobres e miseráveis criaturas? Onde está o Estado? A igreja faz o que pode, dentro de suas limitações, mas ainda é pouco. Eles até choram quando falamos de Cristo, porém, o Evangelho por si só não os tira das ruas, pois algo muito mais prático faz-se necessário dar a essas pessoas; não somente amor, mas condições de vida e reintegrá-los à família e a sociedade. Muitos até perecem nas ruas, e isso é muito triste. Eles têm fome pela vida, e com uma vida tão fragilizada, vão vivendo como podem!