“E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal.” (Gênesis 19.26).

 

Dizia certo escritor: “Quando o cristão resmunga, reclama e sente pena de se mesmo, está olhando para trás, para as reprimendas, afrontas pessoais, privações e sofrimentos”.

 

Trata-se da mais pura realidade. O povo de Israel, liderado por Moisés e o Sumo-Sacerdote Arão, seu irmão, cruzaram o deserto em direção à Terra Prometida, Canaã, porém, devido as murmurações, reclamações e resmungos constantes, acabaram provocando a ira do Senhor Deus e por isso, Jeová os matou no deserto, não permitindo que pisassem o solo da terra que mana leite e mel, exceto, Josué e Calebe que se mantiveram fiéis ao Senhor.

O povo em vez de seguir calado, esperando a cada dia as bênçãos, dando a cada dia graças ao Senhor, por todos os livramentos e pelos milagres que os acompanhavam, tais como, as águas do Mar Vermelho se abrir e eles passarem pelo meio delas, as águas do Jordão se abrir e de igual maneira eles a atravessarem, a Rocha jorrar água doce e cristalina, o maná, as codornizes, os livramentos de povos nômades e violentos ao longo da travessia do deserto, etc. Tudo isso seria motivo de agradecimentos, mas eles preferiram murmurar.

A verdade consiste no fato de que nunca estamos plenamente satisfeitos e gratos ao Senhor. O apóstolo Paulo repreende os Gálatas porque eles não souberam exercitar a fé na pessoa de Jesus Cristo, e ao primeiro ensinamento contrário ao que ele havia ensinado, foi motivo para o povo abandonar a fé: “Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho.” (Gálatas 1.6). Precisamos estar bem doutrinados e firmes no Evangelho, de modo a não crermos em qualquer vento de doutrina, a fim de não perdermos a oportunidade de sermos Arrebatados ao toque da trombeta de Deus.

Não olhe para trás, mas siga o conselho de Paulo: Olhe para frente, prossiga para o alvo que é Cristo Jesus. Amém!