“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.” (1 Pe 1.3).

 

A esperança é para ser vivida de fé em fé. Quando se tem amor verdadeiro por Deus, pela salvação e pela Igreja do Cordeiro, então, a esperança se renova a cada manhã. É preciso que os que têm esperança transborde de gozo e paz: “Ora o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo”. (Rm 15.13).

O verdadeiro cristão deve aguardar com paciência e fé a bem-aventurada esperança. Quando as dificuldades e as crises se instalarem em sua volta, então, é preciso ser forte, robusto na fé e crer que o Senhor irá te dá a vitória, para tanto, faz-se necessário evidenciar em seu coração a esperança: “Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo”. (Tito 2.13).

O apóstolo Paulo assemelha a esperança à fé quando diz: “Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará?” (Rm 8.24).

Na visão paulina, se temos esperança nas promessas, então devemos usar de ousadia no falar, pregar, ensinar: “Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar.” (2 Co 3.12).

Paulo é enfático a falar que o cristão precisa se alegrar na esperança em Deus; Se alegrar na esperança da Salvação; se alegrar porque irá um dia morar no céu…: “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração” (Rm 12.12). Salomão também fala como Paulo. Ele diz que a esperança dos justos é alegria: “A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá.” (Pv 10.28).