“Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é malo, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares” (Salmos 51.4).

 

O rei Davi poderia muito bem ter se rebelado contra Deus quando o seu pecado foi descoberto. Ele poderia, também, ter mandado matar o profeta Natã, mas Davi procedeu como um homem que tinha sabedoria, “segundo o coração de Deus”, cujo temor havia invadido a sua alma.

Davi quando foi duramente admoestado por Natã, ele se prostrou diante do Senhor Deus de Israel e quebrantou-se de modo que o Pai celestial o restaurou poderosamente.

Na sua oração de conscientização e arrependimento sincero, ele obteve o perdão de seus pecados e novamente sentiu a alegria da salvação pulsar em seu interior, o que o fez entender plenamente que as misericórdias do Senhor o alcançaram de novo, e o justificaram diante do Eterno e maravilhoso Senhor, Deus de Israel.

Davi ao ser restaurado voltou ao seu estado original, espiritualmente falando, quando com um coração puro e um espírito sincero gozava das benesses celestiais e com gozo profundo na alma, soube perfeitamente agradecer ao Criador por ter lhe perdoado os seus pecados. Agora, debaixo da proteção divina e gozando novamente da graça divinal foi capaz de dizer: “Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor” (Salmos 51.15).

Quando Davi sentiu que, o peso de suas culpas, foram aliviadas e que, mais uma vez, o amor de Deus fluía em seu coração, então procurou interceder: “Abençoa a Sião, segundo a Tua vontade; edifica os muros de Jerusalém” (Salmos 51.18).

Quando Davi sentiu-se perdoado devido ter se quebrantado diante do Deus de Israel, então, sua vida voltou ao estado normal, quando sentia ele o gozo, a felicidade e a paz de Israel. Amém!

Saiba meu amigo e irmão em Cristo que o quebrantamento verdadeiro gera no homem a alegria da salvação e gozo na alma.