“Porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. “ (Romanos 5.5).

 

O apóstolo Paulo ao escrever ao escrever aos romanos ele procura enfatizar sobre o derramamento do amor de Deus nos corações das pessoas, como sendo uma ação misericordiosa do Espírito Santo.

Quando o mesmo apóstolo escreve aos Coríntios, em sua primeira epístola ele procura externar a sua alegria e zelo em transmitir a eles a sua preocupação pelos dons espirituais, tão necessários ao desempenho e dedicação à vida cristã.

A orientação que Paulo propõe aos Coríntios nada mais é do que um roteiro glorioso para ser praticado no dia a dia, ou seja, no exercício do amor cristão. Ele diz com autoridade e firmeza de propósito: “Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine” (1 Co 12.31). O amor é tudo no desempenho do exercício pastoral e na vivencia cotidiana da vida cristã.

Os dons espirituais são fundamentais para o bom andamento da obra de Deus. Não se consegue conceber uma igreja sem vasos úteis ao Espírito Santo. É fundamental que nela existam pessoas com dons de variedades de línguas, profecia, de cura, etc, porém, o amor não poderá faltar em hipótese alguma. A igreja em Corinto tinha todos os dons espirituais, mas tudo indica que os crentes ali não conheciam, ainda, o mais excelente caminho do amor. Eles estavam sempre juntos, falando em línguas, orando, porém, as dissensões e contendas eram constantes, pois não conheciam a capacidade do amor fraternal.

Vamos juntos trabalhar para o Senhor Jesus Cristo e como disse Paulo, vamos buscar os melhores dons, exercitá-los na obra e buscarmos viver, cada dia, bem unidos e em perfeito amor. Aleluia!