“Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.” (Lucas 15.22-24).

É muito gratificante para a família, para o pastor e todos que se dedicam a vida de intercessão, principalmente, por alguém que sai dos trilhos, ou seja, deixa o caminho da salvação, por algum motivo, e depois de padecer, sofrer um bocado, volta aos trilhos novamente, ou melhor, volta à casa do Pai celestial, arrependido e com desejo ardente no coração de recomeçar de maneira diferente, debaixo da graça e da unção do Espírito Santo.

De volta aos trilhos é a maneira gentil de dizer do cristão a todos quantos deixaram a Cristo, enveredando-se por caminhos tortuosos cujo cheiro diário não é nada agradável, mas o odor do pecado, e que, no auge da crise, resolve voltar, então, se arrepende e volta ao local onde caiu e recomeça a vida de novo, sendo alcançado pelo perdão e pelo poder de Cristo.

De volta aos trilhos nada tem a ver com aqueles que mediante a corrupção lesaram o patrimônio Nacional. De volta aos trilhos diz respeito ao filho pródigo que tendo deixado a vida de fartura do lar paterno, lugar saudável e agradável, e após lançar mão da sua herança, resolve gastá-la por completo com as meretrizes e amigos aproveitadores.

De volta aos trilhos diz respeito a restauração do filho pródigo, parábola contada por Jesus Cristo para ensinar-nos que há esperança para aquele que se desvia do caminho da salvação e mergulha no mundo da miséria e do pecado. De volta aos trilhos é sem dúvida uma parábola que nos ensina inúmeras lições de vida. Aleluia!