Tirando de Deus para dá ao inimigo

“Naquele tempo cortou Ezequias o ouro das portas do templo do Senhor, e das ombreiras, de que ele, rei de Judá, as cobrira, e o deu ao rei da Assíria.” (2 Reias 18.16).

O rei da Assíria Laquis, havia tomado todas as cidades fortes de Judá sob a liderança do rei Ezequias, e este, para não ser morto e não contemplar uma desgraça maior, se rende aquele rei ouro e prata, porém, ele não tinha o combinado, então, lançou mão do que não era seu, mas tirou de Deus, do Templo consagrado ao Senhor, cortou a fogo e a ferro as portas para tirar o ouro e o dar ao inimigo.

Interessante, estamos no século XXI e até hoje alguns fazem o mesmo, tiram do que é de Deus e investem em seus projetos, ou simplesmente, entregam o que é do Senhor ao inimigo. É o que fazem alguns com o dízimo e as ofertas alçadas.

O dono da terra e dos céus só exige do homem dez por cento e o deixa viver com quase tudo, ou seja noventa por cento e mesmo assim ele não consegue suportar a pressão, e nem a tentação e acaba tirando de Deus para dá ao inimigo a única migalha que Deus exigiu dele, a décima parte do seu salário. Com isso, a pessoa que assim procede tem falta de tudo: “Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vestis-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saco furado.” (Ageu 1.6). Não tem alfaiate e nem costureira que consigam costurar os bolsos e o saco onde se põe o dinheiro, ele vive sempre furado.

O rei de Judá Ezequias tinha ouro e prata. Se ele tivesse feito uma campanha teria arrecadado muito ouro e prata que daria para saldar a sua dívida imprudente junto ao rei Laquis da Assíria, porém ele achou mais fácil lançar mão daquilo que não era dele, mas de Deus, porquanto as portas do Templo eram consagradas e dava ao recinto a beleza, bem como ostentava a glória da riqueza de quem servia a Deus. Ezequias cortou o ouro das portas do templo do Senhor, e das ombreiras, de que ele, rei de Judá, as cobrira, e o deu ao rei da Assíria. Que falta de fé, de compromisso, de zelo, de temor, e reverência pelas coisas sagradas.

Não devemos lançar mão daquilo que não nos pertence. Do nosso salário, só podemos dispor de noventa por cento, os outros dez é de Deus, e o devemos levar à casa do tesouro, para mantimento e sustento da obra. Só somos abençoados quando não lançamos mão daquilo que não é nosso. Quem toca nas coisas do Senhor e as dá ao inimigo, trás para si maldição. Não tire de Deus e dê ao inimigo parte dos seus bens, que pertencem ao Senhor.

Muitos estão sentados em cima do muro, nada fazem para o Senhor, por que isso? Porque não são fieis ao Senhor. “Porém Rabsaqué lhes disse: Porventura me mandou meu senhor somente a teu senhor e a ti, para falar estas palavras e não antes aos homens, que estão sentados em cima do muro…” (2 Reis 18.27).

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook