“A qual temos como âncora da alma, segura e perene, e que penetra até ao interior do véu” (Hebreus 6.19).

Em qualquer dicionário bom de nossa língua se afirma que a esperança é o “ato de esperar o que se deseja.” A igreja de Cristo, com base nessa definição, jamais poderá perder a esperança, porque seus desejos são muitos e todos eles relacionados com o contexto espiritual, quer seja para participar do arrebatamento, ou mesmo para comparecer ante o Tribunal de Cristo, para receber do Senhor Jesus as recompensas por ter feito um bom trabalho para Deus aqui na terra.

No afã de se obter força para esperar o que se deseja, é preciso que se tenha um instrumento que nos capacite, a fé. O escritor aos hebreus define fé como sendo “…  firme fundamento dos coisas que se esperam, das coisas que se não veem” . Para o mesmo escritor, a fé em conseguir o que se deseja é também a definição para esperança. Quando o crente faz naufrágio da fé, ou seja, abandona seus objetivos e metas espirituais, automaticamente ele lança por terra toda a sua esperança, consequentemente, toda sua alegria e felicidade.

A igreja de hoje, precisa ser mais esperançosa, viver e buscar com fé seus desejos, à semelhança da igreja primitiva que batalhou pela fé nos primeiros séculos da era cristã. Nessa luta, temos um grande oponente que se opõe contra a noiva de Cristo, a fim de que ela não alcance seus ideais no contexto espiritual. As potestades infernais lutam noite e dia para roubar a coroa de glória do cristão, símbolo da eterna vitória em Jesus. É de vital importância que aqueles que aceitaram a Cristo e nele vivem, tenham disposição e força de vontade para viver uma vida de santificação, fator primordial e obrigatório para quem deseja guardar a coroa para posterior gozo no porvir. (“Guarda tua coroa para que ninguém a tome.”  – Apocalipse 3.2).

A âncora é um importante instrumento de firmeza das grandes e pequenas embarcações; chamada também de ferro e serve para fixar o navio ao fundo do mar quando fundeado, para não ser levado pelos ventos e ondas bravias . A esperança como âncora da alma, também não permitirá que os ventos de doutrinas e as fortes ondas do mar da vida, presentes no oceano chamado mundo (onde residem os problemas de toda sorte e natureza).

Se a alma não tiver essa âncora, com certeza se dispersará, sendo levada de um lado para outro pelos fortes ventos da globalização e da secularização. Lembre-se que a esperança é a âncora da alma; assim sendo, não a perca jamais. Lute pelos seus ideais e objetivos espirituais, não desvaneça, continue firme em seus propósitos e celebrarás a vitória mui brevemente. Amém!