Vida de pardal solitário

“Velo e sou como o pardal solitário no telhado” (Salmos 102.7).

A solidão tem sido uma constante na vida de inúmeras pessoas, quer sejam eles cristãs ou não. O solitário, que nem o pardal do texto acima, poderá ir a óbito, porquanto, esse tipo de problema além de ser preocupante ele também mata como qualquer outra doença.

A solidão não é comum somente em pessoas adultas, hoje, os mais jovens podem ser atingidos por ela. Quando o individuo se isola para ter momentos marcantes em sua vida, quer seja para estudar, meditar ou fazer as suas orações, é coisa que chega a ser prazerosa, mas quando isso vira uma rotina e depois pode pular para doença, então, é melhor ter o acompanhamento do psicólogo que irá fazer um trabalho eficaz e buscará alternativas para mudar o quadro psicológico do solitário.

Não são poucas as razões que levam as pessoas buscarem instantes de calmaria e profunda paz, ou seja, se isolarem do mundo agitado e estressante. Uns buscam esse momento quando perdem alguém íntimo da família ou de seu circulo de amizade, ou querem se afastar socialmente de tudo e de todos, talvez devido a alguma decepção marcante.

A solidão não é o mesmo que passar algumas horas em redoma para meditar ou realizar algum trabalho que requeira tranquilidade, mas um período mais demorado, tal como passou o profeta Elias à beira do ribeiro de Querite, em profundo estado de solidão, conforme o relato de 1 aos Reis 17.

Não são poucas as vezes que me encontro sozinho e pensativo; lendo um bom livro, ou mesmo meditando na Palavra de Deus. Estes momentos são bons para a saúde física e mental, alimentam a alma e rejuvenescem o espírito. São instantes importantíssimos e saudáveis na vida do obreiro, porém, não podem virá rotina, isolar as pessoas e evitar o contato com gente que amamos. O contrário disso é a solidão mórbida, doentia que faz a pessoa mergulhar no mundo da ilusão, adquirir melancolia e chegar à famigerada depressão. Tal situação tortura a alma, dilacera o coração e a mente, levando o indivíduo até mesmo à morte.

Tem muita gente solitária, mesmo havendo centenas de pessoas em sua volta e pertencente a uma família numerosa e congregando-se em igreja de inúmeros membros. Pessoas que não conseguem fazer amigos, e os que têm não os valoriza o que culminará ficando sozinhas. A solidão é de certa forma contagiosa, pois quem tem amigos ou parentes solitários, se não abrir os olhos acabará solitário também, que nem o pardal no telhado.

Quando a pessoa atinge esse degrau de comportamento, faz-se necessário a ajuda do psicólogo, fazer a terapia de grupo, a fim de novamente se reintegrar socialmente, voltar a interagir com as pessoas e buscar um nível melhor de vida, e com isso reduzir o sofrimento da alma e ser feliz.

Alguns cristãos não sabem o que é solidão. Eles, cada vez mais se envolvem com a obra de Deus, não perdem cultos, evangelizam todos os dias, bem como leem e meditam nas Escrituras dia a dia, estão sempre envolvidos com os grupos de sua igreja e no trabalho não cessam de apresentar a Cristo as pessoas necessitadas. Isso funciona como uma grande terapia contra a solidão. São pessoas que estão sempre reunidas para orar e discutir as verdades bíblicas. Assim sendo, estão longe de serem como o pardal solitário do telhado, que devido a solidão acabam morrendo. Valorize mais a sua vida, sai do estado solitário.

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook