“Castanha maior do que o caju”

“Em vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria.” (Provérbios 11.2).

É muito interessante o papo de vendedor ambulante para atrair os clientes para comprar os seus produtos. Outro dia, no Mercado Central de Fortaleza,CE, ouvi quando um deles disse: “A minha castanha é maior do que o caju”. Eu, na verdade estava à procura de castanha, mas não parei ali, até porque estava sorrindo da maneira como ele se expressou: pura soberba, mensagem enganosa, pois, onde que o caju é maior que a castanha? Coisa de vendedor engraçado!

O caju propriamente dito é a castanha e não o que chamamos de pseudofruto, ou seja, a parte doce e suculenta que se saboreia a qual é rica em vitamina C e ferro. Já a amêndoa da castanha de caju é rica em fibras, proteínas, minerais, vitamina K e vários tipos de aminoácidos, uma riqueza para saúde, segundo os pesquisadores.

Depois daquela palavra do vendedor, pude verificar a sua aplicação na vida espiritual e percebi que a soberba é tal como ele falou: “a castanha é maior que o caju”. Na verdade o caju é o fruto do cajueiro, a castanha e a parte suculenta é o chamado pseudofruto. O fruto do cajueiro é menor, ou seja, é mais humilde que o falso fruto. Aquele que salta aos olhos, porém, não gera outros frutos, mas a castanha sim, ele é que produz novos cajueiros, é que realmente produz vida.

A Bíblia diz: Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1 João 2.16). Já imaginaram se a castanha fosse maior do que o pseudofruto? Seria o máximo, talvez o ideal para a industrialização, o lucro seria muito maior, mas a parte mais importante é a menor, a castanha.

O pseudofruto, o considero como o soberbo, o arrogante, o apresentado, que gosta da exibição, da apresentação exibicionista, etc. Ele gosta de expor a beleza e a doçura, porém, é quem leva a primeira pedrada e quem mais se fere na hora da colheita. O humilde é sempre exaltado por Deus, porém o soberbo é cercado como quem tem um colar: “Por isso a soberba os cerca como um colar, vestem-se de violência como de adorno.” (Salmos 73.6).

O cristão precisa ser como a castanha que não tem beleza e nem doçura antes de passar pelo fogo. Quando a castanha é submetida ao fogo, então, ela passa a ter o devido valor. O crente quando é incendiado pelo fogo do Espírito Santo, então, ele passa a ser útil na obra de Deus. E em sua humildade é deveras usado pelo Espírito de Deus.

O cristão depois que passa pelo fogo do Espírito Santo se torna um vaso de grande utilidade na obra de Deus. O fogo que o purificou, também, é capaz de queimar toda a impureza, toda a iniquidade e o santificar para uso exclusivo do Senhor Jesus Cristo. Deus quer te abençoa ricamente, diferentemente de como falou aquele vendedor de produtos nordestinos: “A minha castanha é maior que o caju”, mas “a minha vida é tão pequena que, Cristo cresça e eu diminua”.

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook