É hora de rever onde foi que você errou e, tomar uma decisão acertada diante de Deus!

“E tornando o povo ao arraial, disseram os anciãos de Israel: por que nos feriu o Senhor, hoje, diante dos filisteus? Tragamos de silo a arca do concerto do Senhor, e venha no meio de nós, para que nos livre da mão de nossos inimigos”.

Israel foi grandemente ferido diante dos filisteus. Quando os feridos e os soldados com vida chegaram ao acampamento em Ebenézer, os anciãos questionaram por que aconteceu aquela tragédia?

Israel precisou rever os seus erros. O povo estava indo para as batalhas sem a arca de Deus, símbolo da vitória. Então, trataram logo de trazerem de Silo a arca para junto dos guerreiros, para o local onde iria acontecer a batalha a fim de fazerem deles vencedores diante de seus inimigos.

Tão logo a arca chegou e os guerreiros se reuniram em torno dela, os filisteus que ouviram os júbilos desceram de Afeca, seu acampamento e caíram em cima do exército de Israel e venceram de maneira exemplar, de modo que naquele dia caíram mais de trinta mil soldados israelitas, sem contar com o número considerável de feridos.

Eles não entenderam o porquê de tão grande derrota. Na análise dos capítulos seguintes, se vê que a razão da derrota esmagadora foi porque os sacerdotes que estavam no acampamento de Ebenézer, não tinham uma vida na presença do Senhor. Eles estavam no meio do exército, porém, em pecado. Hofni e Finéias estavam com suas vidas desconcertadas. Faziam o sacrifício diante de Deus, mas não abandonavam a vida de prostituição. Bebiam bebidas fortes e se embriagavam, sem contar com a vida desregrada que levavam não respeitando a Lei do Senhor.

O nascimento do filho de Finéias logo após essa batalha expressa muito bem o estado espiritual de Israel: “Icabô”, que quer dizer em hebraico: Foi-se a glória de Deus.

Algum tempo depois, o profeta e juiz Samuel, esteve em Mispá, onde estavam congregados os filhos de Israel. Eles estavam temerosos quanto a presença, em lugar não muito distante dos exércitos dos filisteus.

A arca de Deus havia sido devolvida pelos filisteus. Samuel fez o que ele achou correto diante de Deus. Os filisteus haviam se fortalecido nos últimos meses e Israel continuava debilitado. Samuel conhecia a Deus e tratou logo de levar o povo a um concerto sincero diante do Senhor. Samuel levou o povo a rever os seus erros, fraquezas e pecados.

Samuel reuniu o povo a fazer um grande Jejum em Mispá. O povo reconheceu que havia pecado: “…pecamos contra o Senhor. E julgava Samuel os filhos de Israel em Mispá”. (1 Samuel 7.6).

Samuel fez um sacrifício. Imolou um cordeiro em holocausto ao Senhor. Orou a Deus com a sinceridade de sua alma e de seu coração. Quando ele estava oferecendo o sacrifício ao Deus de Israel, os filisteus chegaram e partiram para cima do povo. Os soldados do exército de Israel, fortalecidos pela restauração de Deus em suas vidas, não temeram os filisteus e venceram a batalha de modo exemplar.

Samuel contente com o episódio disse a fim da peleja: “…Ebenezer, e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor” (1 Samuel 7.12).

Quando o homem recorre a si mesmo e olha para dentro de si e vê o que somente ele e o Senhor conseguem enxergar: o pecado escondido, então, confessando-o diante de Deus a vitória é certa.

Aproveite para rever onde foi que você errou e tome uma decisão acertada diante de Deus!

Pr. Orcélio Amâncio

Pr. Orcélio Amâncio

José Orcélio de Almeida Amâncio é o atual pastor presidente da igreja Evangélica Assembleia de Deus, igreja do Novo Milênio, localizada no Núcleo Bandeirante, Brasília DF. O pastor Orcélio é formado em letras(português-hebraico) pela universidade Estadual do Rio de Janeiro, é Bacharel em teologia, realizou o curso na escola de preparação de obreiros evangélicos (EPOE), no Rio de Janeiro, onde foi coordenador do ensino por seis anos; também, possui o curso básico de teologia da FATAD, em Brasília, durante dez anos, lecionou ali a língua hebraica e variadas disciplinas teologicas. É pós-graduado em docência do ensino superior pela faculdade Albert Einstein (FALBE) de Brasília DF.

Comentários no Facebook