“Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.” (João 2.4).

Quando se lê o livro de Eclesiastes o grande sábio Salomão diz: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar; Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar; Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora; Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;” (Eclesiastes 3.1-7). Realmente, há tempo para tudo debaixo do sol.

Ora, se há tempo para tudo, então o que devemos fazer agora? O apóstolo Paulo nos dá a real resposta, pois ele mesmo orientou a Timóteo, seu filho na fé: “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.” (2 Timóteo 4.2). Esse é o nosso momento, o qual o mesmo apóstolo nos diz que se trata de uma OBRIGAÇÃO de cada um que um dia aceitou a Cristo e nEle permanece firme na fé: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Coríntios 9.16).

Não temos mais para onde corrermos. Chegou à hora! Hora de evangelizar, de pregar o Evangelho, a tempo e fora de tempo. Aleluia!