“Todos eles são adúlteros; são semelhantes ao forno aceso pelo padeiro, que cessa de mexer nas brasas, depois que amassou a massa, até que seja levedada.” (Oséias 7.4).

Oséias é um dos profetas chamados menores. Seu pai chamava-se Beeri e em hebraico Oséias significa “livramento” ou “salvação”. A história deste profeta é por mim considerada como de grandes ensinamentos para a vida cristã hoje.

O profeta acusou a terra de se prostituir, tal como a sua esposa foi tida e havida como infiel. Sua esposa chamava-se Gômer, e era filha de Diblaim. O livro é rico em ensinamentos, não somente para Israel, mas também para nossas vidas.

Oséias foi um profeta que mais tempo profetizou na Bíblia, talvez cerca de 60 anos. Ele começou seu ministério profético no período do rei Uzias e vai até os dias do rei Ezequias, rei de Judá. Oséias fazia bem o seu trabalho.

Hoje, infelizmente, tem muitos cristãos que não conseguem mais se dedicar à chamada que o Senhor lhe fez à semelhança de Oséias. Suas responsabilidades, geralmente, são delegadas para outras pessoas fazerem e, com isso a obra não é realizada como o Senhor deseja e com isso a obra está sofrendo, porquanto, muitos líderes, estão deixando de fazer o que Deus ordena e preferem passar a bola para outro obreiro.

É comum alguém se identificar com aquilo que realizam. Outro dia um profissional da medicina fez um procedimento errado na clinica que trabalhava e o paciente veio a óbito. Muitos casos desses surgem na mídia todos os dias e em alguns deles esses profissionais são falsos médicos e sem licença para exercerem a nobre profissão de médico.

De igual maneira temos inúmeros ministros do evangelho que se acham o mais habilitado e capacitado teólogo, capaz de conduzir pessoas aos pés de Cristo, porém, seus atos e suas atitudes cristãs não condizem com o que pregam e acabam matando muita gente, espiritualmente falando. Geralmente, são “profissionais do evangelho” e tudo fazem para ganhar dinheiro, menos conduzirem vidas à salvação. São forno acesos que já estão se apagando, como forno de padeiro, que cessa de mexer nas brasas.

São obreiros que se acham, pensam que são pastores, até se vestem como tal, porém, quando aconselham ou ensinam, percebe-se que não reúnem nenhum tipo de experiência com o Espírito Santo, não conseguiram ao longo de suas carreiras cristãs não experimentaram nenhum tipo de comunhão com Deus. Os tais são fornos acessos de padeiro que logo, logo irão se apagar. (continua).