“E do trono saíam relâmpagos, e trovões, e vozes; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete Espíritos de Deus.” (Apocalipse 4.5).

O profeta Samuel, quando dormia ouviu uma voz que lhe chamava e era a voz de Deus: “E sucedeu, naquele dia, que, estando Eli deitado no seu lugar (e os seus olhos se começavam já a escurecer, que não podia ver), e estando também Samuel já deitado, antes que a lâmpada de Deus se apagasse no templo do Senhor, em que estava a arca de Deus, o Senhor chamou a Samuel e disse ele: Eis-me aqui” (1 Samuel 3.2-4).

Samuel, como não tinha ainda experiência com o Senhor, correu para o profeta Eli e lhe perguntou: o senhor me chamou? O juiz Eli respondeu ao rapaz que não, e tal fato ocorreu por cerca de três vezes. Até que o profeta Eli entendeu que se tratava da voz do Senhor e mandou que ele respondesse: “Eis-me aqui” quando a voz soasse novamente, e assim o rapaz fez.

A lâmpada, a comparo ao testemunho do Cristão. Quando o testemunho do crente em Jesus Cristo é exemplar, é porque tem brilho, a luz está acesa e poderá ter visões celestiais como a que Estevão teve antes de sua morte por apedrejamento: “Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus; E disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus. ” (Atos 7.55,56).

O apóstolo Paulo enalteceu o testemunho dos irmãos de Tessalônica: “Sempre devemos, irmãos, dar graças a Deus por vós, como é justo, porque a vossa fé cresce muitíssimo e o amor de cada um de vós aumenta de uns para com os outros,
de maneira que nós mesmos nos gloriamos de vós nas igrejas de Deus por causa da vossa paciência e fé, e em todas as vossas perseguições e aflições que suportais.” (2 Ts 1.3,4).

Comparando o testemunho dos crentes tessalonicdenses a essas lâmpadas de um candeeiro aceso, percebemos que elas estavam bem acesas na vida daqueles irmãos em Cristo.

Para o crente em Cristo dizer claramente eis-me aqui, é preciso manter as sete lâmpadas de Deus acesas em sua vida: “E do trono saíam relâmpagos, e trovões, e vozes; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete Espíritos de Deus.” (Ap 4.5).

Quem deseja servir ao Senhor de todo o coração e levar uma vida observando a firmeza e a pureza da alma convém manter as sete lâmpadas de Deus acesas em seu ministério. Vejamos essas lâmpadas:

A primeira delas é a lâmpada da chamada divina. Nos dias de Samuel não havia visão manifesta e o Senhor chamou a Samuel (1 Sm 3.1-11). Samuel ainda não conhecia ao Senhor e ainda não lhe tinha sido manifestada a palavra do Senhor, mesmo assim o Deus de Israel chamou a Samuel para uma grande obra.

O profeta Oséias admoesta-nos da seguinte maneira: “Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor: como a alva, será a sua saída; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.” (Os 6.3).

A segunda lâmpada eu diria a da Evangelização. A lâmpada dos perdidos pecadores está apagada e a igreja de Cristo, que tem as palavras de vida eterna tem o dever, a obrigação de acender as luzes. O patriarca Jó diz: “Quantas vezes sucede que se apaga a lâmpada dos ímpios e lhes sobrevém a sua destruição? E Deus na sua ira lhes reparte dores!” (Jó 21.17). A lâmpada dos que não tem salvação está apagada, porém, poderá tornar a acender, bastando tão somente aceitar a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas.

Se você está firme com Cristo, então, não permita que a lâmpada de Deus se apague em sua vida. Amanhã falarei nas demais lâmpadas.

Quando o homem de Deus tem a chama da evangelização acesa, ele não mede esforços para realizá-la. Veja o exemplo de Paulo em Atos 16.9,10: “ À noite, sobreveio a Paulo uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos. 10 Assim que tive a visão, imediatamente, procuramos partir para aquele destino, concluindo que Deus nos havia chamado para lhes anunciar o evangelho”. Veja que a lâmpada da evangelização estando acesa na vida do crente, ele não espera a chuva passar e nem o sol se por, tendo dinheiro ou não, mas parte imediatamente para fazer a vontade de Deus.

A lâmpada de muitos evangelistas está apagando-se por falta de azeite, por falta do Espírito Santo. Salmista diz: “Porque tu acenderás a minha lâmpada; o SENHOR meu Deus alumiará as minhas trevas.” (Salmos 18.28).

A terceira lâmpada é a da Presença de Deus. Sansão quando, no meu entender achou que essa lâmpada jamais se apagasse. Ele realizava a obra que Deus tinha para ele com a maior naturalidade, e ainda por cima em pecado, porém um dia ele procurou a sua força, símbolo da presença de Deus em sua vida e ela não mais existia: “E disse ela: os filisteus vêm sobre ti, Sansão. E despertou do seu sono e disse: Sairei ainda esta vez como dantes e me livrarei. Porque ele não sabia que já o Senhor se tinha retirado dele” (Juízes 16.20). Aquele que deseja ser vitorioso em sua vida deve preservar a presença do Senhor, não se distanciando do seu caminho.

A quarta lâmpada diz respeito a que está cheia de azeite. Tem muita gente que não está se preocupando em encher a sua lamparina de azeite e este, é importante para manter a luz do ministério acesa. Quantos ministérios eclesiásticos estão necessitando de azeite para fazer o trabalho decolar? O azeite é o símbolo do Espírito Santo. Se este, não se fazer presente no trabalho que realizamos, então é preciso procurar as causas da falta dEle, ou seja, porque o azeite está pouco? Por que o azeite parou? A mulher disse ao seu filho: “…traze-me ainda um vaso. Porém, ele lhe disse: Não há mais vaso nenhum. Então , o azeite parou” (2 Reis 4.6). Quando o homem perde a propriedade de ser vaso de Deus, então, o ministério está se extinguindo, e é necessário a renovação urgente. A vida do obreiro do Senhor tem que está untada do azeite, do Espírito Santo.