“Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós.” (Josué 3.5).

A Bíblia tem inúmeros exemplos de famílias que souberam administrar a criação de filhos. De casamentos que foram firmes como o “carvalho” e “doce” como o fruto da “figueira”. Eunice e Lóide, duas judias que souberam criar Timóteo no temor do Senhor. Mesmo tendo Eunice casado com um homem gentio, ela como mãe dedicada e temente a Deus, conseguiu, com o apoio de sua mãe Lóide, passar a Timóteo toda a beleza e grandeza existente na Lei de Moisés e em tudo que se relaciona com Deus.

Quando elas conheceram a Cristo e descobriram a Salvação pela graça de Cristo, souberam de maneira sábia e pela fé passar a Timóteo os ensinamentos da Educação Cristã, o que o tornou num grande companheiro de Paulo e Silas, homem valoroso e cheio de virtudes.

A sólida educação cristã é aquela transmitida pelos pais aos seus filhos. É durante a infância que se deve imprimir a marca da personalidade de Cristo no coração de cada uma delas, ensinando-as sobre o que é a santificação e a vida de temor ao Senhor.

Eunice e Lóide foram exemplos de mães cristãs, pela oração, dedicação e pelo amor à Palavra de Deus, o que as levou a uma vida de santificação. O herdeiro chamado Timóteo, tornou-se muito útil à obra da evangelização imposta por Paulo, a quem o considerava “filho na fé”.

Paulo só o chamou para tão grande missão porque Timóteo buscava a santificação, era dedicado à obra de Deus e se despontava como um jovem fiel a Cristo. Sua mãe e sua avó Lóide ensinaram-lhe as “Sagradas Letras”, conforme a tradição judaica. Se não fosse o empenho destas duas mulheres santificadas e tementes a Deus, Timóteo não teria sido o obreiro que tanto fez pela expansão e edificação da Igreja de Cristo. Mesmo tendo um pai que era grego, isso não abalou a fé de Timóteo.

Quando Paulo chegou em Listra, cidade licaônica, por ocasião de sua primeira viagem missionária, foi tomado de uma grande alegria, pois ali, ele se encontrou com Timóteo, um jovem cheio de entusiasmo e ânimo para fazer o melhor para Deus. Timóteo tinha convicção de que o Senhor o chamara para uma obra específica. Ele levava uma vida de santificação, através da oração e da observância aos ensinamentos paulinos (At 16.1).

Eunice e Lóide legaram a Timóteo uma fé não fingida: “Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou, primeiro, em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti” (2 Tm 1.5). E, também, um genuíno conhecimento da Palavra do Senhor: “Sabendo de quem o tens aprendido. E que desde a tua meninice sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus” (2 Tm 3.14b, 15).

O mundo seria muito melhor se houvesse por toda a parte homens, mulheres e famílias santificados para o Senhor nosso Deus.