“E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto. O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades fortificadas e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque. Os amalequitas habitam na terra do sul; e os heteus, e os jebuseus, e os amorreus habitam na montanha; e os cananeus habitam junto do mar, e pela margem do Jordão. Então Calebe fez calar o povo perante Moisés, e disse: Certamente subiremos e a possuiremos em herança; porque seguramente prevaleceremos contra ela. Porém, os homens que com ele subiram disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós.” (Números 13.27-31).

Muito me entristece quando os filhos de Deus, não conseguem vislumbrar a força e o poder que têm os quais foram recebidos de Cristo quando O aceitaram como Senhor e Salvador de suas vidas.

Crentes com a síndrome ou o complexo de gafanhoto jamais crescem e se tornam vencedores nas batalhas do dia a dia, quer sejam elas no campo material ou espiritual.

Quem desenvolve esse complexo de gafanhoto não consegue de maneira alguma se tornar um vitorioso: “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1 João 5.4,5). Logo, não é alguém que tenha nascido de novo, ainda.

Deus ama aquele que é intrépido, que não tem medo da morte, do inferno e de enfrentar a vida. Martin Luther King Jr., dizia: “O homem que não está disposto a morrer por uma causa não é digno de viver”. A nossa causa é a mesma do apóstolo Paulo, o Evangelho de Jesus Cristo. E ele ainda diz: “Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo se partiria em pedaços, eu ainda plantaria a minha macieira”.

O que concluo disso tudo é que jamais devemos perder a nossa esperança em Cristo e naquilo que cremos e acreditamos de verdade. Se eu não acredito em mim mesmo, então, é melhor desistir de viver. Tem gente que não faz e nem coopera porque tem medo de errar. Theodore Roosevelt dizia: “O único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Não tenha medo de errar, pois você aprenderá a não cometer duas vezes o mesmo erro”.

Josué e Calebe, não foram contaminados com o complexo do gafanhoto: “Então Calebe fez calar o povo perante Moisés, e disse: Certamente subiremos e a possuiremos em herança; porque seguramente prevaleceremos contra ela.”. Isso é que é confiança em Deus.

A fé é dos intrépidos, dos que não tem medo de enfrentar a luta.