“O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, a pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. ” (Lucas 4.18,19).

Acredito que nem um ser humano se sente bem na condição de escravo. Não a escravidão que conhecemos que fala da venda de homens, mulheres e meninos, nem de navios negreiros que transportavam seres humanos de um continente para outro a fim de serem vendidos como mercadorias, mas de uma escravidão espiritual, a qual tem como protagonista o próprio Diabo.

Tenho a plena convicção de que a escravidão espiritual é algo que não acontece da noite para o dia, mas ao longo de um processo, onde o pecado vai chamando outro pecado e quando se percebe estamos num tremendo abismo, ou seja, escravo de Satanás, que com o domínio da vida, faz da pessoa “gato e sapato”, como diz o adágio mundano.

Jesus quando leu na sinagoga dos Judeus essa passagem, conhecia  perfeitamente a Sua chamada e vocação, bem como o Seu dever de libertar as pessoas oprimidas pelo Diabo, o adversário do céu, da Igreja do Cordeiro, e de todos quantos amam a vinda de Jesus Cristo em glória.

Jesus Cristo falando da sua missão disse naquele recinto religioso: “… a pôr em liberdade os oprimidos…”. E como tem gente oprimida nesse mundo. Como existem pessoas que, nem se quer, conhecem a si mesmo, pois perderam a própria identidade, não possuem mais a visão espiritual e, hoje, agem neste mundo como loucas, sem juízo e sem temor a ninguém, muito menos a Deus, porquanto, Satanás as escravizou e fazem delas o que bem quer.

Liberdade cristã é ser preso a Cristo, a Sua Palavra e a tudo que diz respeito aos Seus mandamentos. Ser livre com Cristo é ter livre acesso a Deus através da oração, da comunhão e do convívio diário com o Espírito Santo, o Consolador de nossas vidas.

Quando a pessoa aceita a Cristo como seu Salvador, ele é liberto do jugo perverso e ruim de Satanás, e alcançado pelo amor de Deus, torna-se escravo de Jesus Cristo, que além de oferecer a salvação, reservou também a vida eterna a todos quantos amam a Sua vinda.

O crente salvo e remido pelo sangue de Cristo é considerado liberto. Quando o homem conhece a Verdade do Evangelho, ou o próprio Jesus (“Eu Sou a Verdade), então, ele é liberto no seu interior. Seu coração produz vida e sua alma alcança a redenção pelo sacrifício de Jesus na cruz do Calvário.

Ter liberdade espiritual é estar em Cristo. Amar a Cristo e anunciar as Boas Novas de Salvação ao mundo escravizado por Satanás. “Se alguém está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas já se passaram, eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5.17). Como é maravilhoso ser um escravo de Cristo, muito melhor do que ser escravo do Diabo, dos vícios, do pecado, do mundo e da própria carne. O liberto sabe em quem tem crido. E a vida que agora vive, não a vive na carne, mas no espírito. Agradando e servido bem a Deus.

Escravidão em Cristo é viver em plena liberdade espiritual, obedecendo e sendo submisso ao Senhor, que deu a sua vida para que tivéssemos vida e vida em abundância. Quando a Palavra de Deus se cumpre em nós, então somos escravos felizes e obedientes.

Se você ainda não se considera liberto, então, atente para o que diz a Palavra: “Tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (2 Co 5.18). Se reconcilie hoje mesmo com Ele e assim se torne uma pessoa liberta e apta para servi-lo como um escravo salvo. Amém!