“Mas tu, Senhor, és um escudo para mim, a minha glória e o que exalta a minha cabeça” (Salmos 3.3).

Davi quando escreveu o Salmo 3 ele lembrou-se da grande perseguição implacada por Absalão seu filho. Este, movido por um espírito faccionista e diabólico, capaz de fazê-lo esquecer de que Deus fora quem chamou Davi, seu pai, para reinar sobre Israel e que havia uma promessa a qual nenhum de seus inimigos iria prevalecer contra ele, porquanto, Davi fora escolhido pelo Senhor e era um “homem segundo o Seu coração”.

Absalão lutou contra o homem errado. Absalão arrumou uma grande increnca contra o própiro Deus de Israel, por isso não prevaleceu e acabou morrendo após ferrenha perseguição por parte de Joabe, capitão do exército de Davi, rei de Israel.

Davi certa vez escreveu: “Pleiteia, Senhor com aqueles que pleiteiam comigo; peleja contra os que pelejam contra mim. Pega do escudo e da rodela e levanta-te em minha ajuda. Tira da lança e obstrui o caminho aos que me perseguem; dize à minha alma: Eu sou a tua salvação” (Salmos 35.1-3).

O filho de Jessé, que venceu o leão, o urso e o Golias filisteu, cantava profeticamente. Ele tinha plena confiança no Senhor e com o coração louvava a Deus por ser Ele o seu escudo e fortaleza, socorro bem presente na hora da angústia. Davi canta no salmo 52 o florescimento do justo e o empobrecimento do ímpio que confia em sua própria riqueza: “Também Deus te destruirá para sempre; arrebatar-te-á e arrancar-te-á da tua habitação, e desarraigar-te-á da terra dos viventes. E os justos o verão, e temerão, e se rirão dele, dizendo: eis aqui o homem que não pôs a Deus por sua fortaleza, antes, confiou na abundância das suas riquezas e se fortaleceu na sua maldade” (Salmos 52 5-7).

Será que Deus tem sido um escudo para você? Quem tem te protegido? Não permita que as riquezas desta vida e o amor as coisas terrenas lhe afastem do Senhor Jesus Cristo.