“E feriu-os Davi, desde o crepúsculo até à tarde do dia seguinte, e nenhum deles escapou, senão somente quatrocentos jovens que, montados sobre camelos, fugiram” (1 Samuel 30.17).

Em uma de minhas idas a Washington,DC, nos Estados Unidos, visitei o monumento erguido em homenagem aos soldados que morreram na guerra do Vietnã. Um monumento muito luxuoso, composto de várias placas de mármore negro onde se acham escritos os nomes dos combatentes que deram as suas vidas naquela sangrenta guerra.

O que me chamou à atenção não foi somente aquelas placas de mármore com os nomes dos guerreiros americanos, mas a quantidade de veteranos de guerra, com seus familiares ali presentes, identificando seus colegas que com eles lutaram contra os vietnamitas, e ao visualizarem os nomes, eles se emocionavam, alguns deles em cadeiras de rodas ou andando com muita dificuldade.

O ponto mais marcante eram os dizeres em suas camisetas azuis: “Se você ler esta frase, então, agradeça a um professor. Se você pode ler essa frase em inglês, agradeça a um ex-combatente americano”. Achei o máximo essa mensagem. Todo americano tem um grande respeito e uma eterna gratidão por tudo o que os seus soldados fizeram e continuam fazendo em prol da soberania americana e paz e a ordem no mundo.

Entre 1955 a 30 de abril de 1975, ocorreu o conflito armado no Sudeste Asiático, conhecido como a Guerra do Vietnã. Uma batalha que muitos americanos não querem lembrar, pois muitas famílias perderam os seus filhos e outros que voltaram as suas terras de origem, regressaram com algum problema e inúmeras sequelas provocadas pela guerra.

Davi, também retornou a Ziclague, após intensa batalha com os amalequitas, onde ele lutou por suas mulheres, e as famílias de seus soldados: “Assim, livrou Davi tudo quanto tomaram os amalequitas; também as suas duas mulheres livrou Davi. E ninguém lhes faltou, desde o menor até ao maior e até os filhos e as filhas, e também desde o despojo até tudo quanto lhes tinham tomado: tudo Davi tornou a trazer.” (1 Sm 30.18-19).

Emoção em dose dupla, primeiro porque na frase se vê a valorização do professor, tão desprestigiado pelo nosso Governo; e em segundo lugar, porque a figura do soldado, tão desprezada por muitos de nossa nação, é valorizada acima do ouro aqui nos Estados Unidos da América.

Outra coisa que muito me impressionou foi ver as crianças, jovens e adolescentes se dirigirem aos militares fardados, tanto americanos ou não e dizerem de coração: “Thanks for your services!”, obrigado pelos seus serviços!