“Então entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos, e deita o azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia.” (2 Reis 4.4).

Uma das virtudes do crente que precisa ser bem explicita é justamente a discrição. Ser discreto em seus atos é fazer algo sem chamar à atenção dos outros, que é comedido, moderado, ponderado, prudente, que guarda segredos e não interfere na vida de ninguém. Isso é que caracteriza o homem e a mulher discretos.

O profeta Elizeu foi bem claro: “…entra, e fecha a porta sobre ti, e sobre teus filhos…” (2 Rs 4.4). Então, só depois é que a mulher iria colocar o pouco de azeite nos vasos. É bom quando a pessoa não divulgar ostensivamente o que vai realizar ou está realizando a fim de não despertar o desejo doentio dos curiosos que, muitas vezes, não contribuem para o bem, mas para o mal.

O Sábio rei de Israel, Salomão escreveu assim: “Como joia de ouro no focinho de uma porca, assim é a mulher formosa que não tem discrição.” (Pv 11.22). Hoje, o ser humano precisa desse ensinamento. Ser discreto é ser prudente. O homem prudente prevê o mal e se esconde dele imediatamente, ou seja, ele foge não paga para ver. Quem usa de discrição só lucra, não perde batalha, mas alcança sempre a vitória nos diversos contextos de sua vida.

O profeta Elizeu não economizou palavras, mas orientou com sabedoria a mulher necessitada e aflita: “…fecha a porta…”. O mundo em que vivemos está cheio de invejosos, e de pessoas que gostam de dar palpites e sem conhecimento de causa procuram agir como mestres e acabam induzindo a pessoa ao erro e também a tomar decisões não acertadas na vida.

Feche a porta, seja mais discreto e certamente a vitória estará garantida em sua caminhada cristã.