“Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.” (1 Pedro 4.10).

Jesus Cristo, certa vez, contou uma parábola sobre um homem que viajou para uma terra bem distante e deixou seus empregados com uma grande responsabilidade: a de administrar seus bens até a sua volta.

Essa parábola acha-se descrita no Evangelho de Mateus 25.14-30. Ela é rica em ensinamentos para a vida cristã saudável, mesmo sendo o “talento”, à época de Cristo uma moeda de prata ou de ouro. Na nossa cultura, ou melhor, em nossos dicionários talento é uma aptidão, vocação, destreza, competência, capacidade, inclinação para alguma coisa útil, disposição para fazer, um dom e também arte.

Quando Jesus contou essa parábola aos seus discípulos, estava ensinando-os que eles um dia iriam espera-lo, porém, não deveriam somente aguardar a Sua vinda, mas deveriam trabalhar, usando as habilidades, as aptidões e dons recebidos de Deus.

Hoje, se não vigiarmos bem, acabamos nos esquecendo que Jesus voltará, e por conseguinte, desprezamos os talentos que o Senhor nos concedeu e, consequentemente, não realizamos a obra que Ele deixou para ser feita juntos dos homens desta terra.

A parábola é bem clara quanto a distribuição dos talentos. A verdade ali registrada é que os talentos são bem distribuídos, ou seja, conforme a disposição e destreza de cada servo, porquanto, a um ele deu cinco talentos, a outro dois e o terceiro ganhou apenas um talento, mas ninguém ficou sem.

Aprendemos com a parábola que é preciso trabalhar para Deus com o coração, com a disposição e ânimo que temos. É preciso fazer tudo com bastante amor, como se fosse para Deus: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo coração, como ao Senhor e não aos homens.” (Cl 3.23).

Não devemos fazer tudo, mas o que fizermos, fazer com carinho, bem feito, sabendo que estamos fazendo para Deus. É necessário que cada um cristão se conscientize que a obra é do Senhor e não nossa.

Há alguns cristãos que estão de braços cruzados, esperando a vinda do Senhor Jesus, porém, nada fazem para o crescimento do Reino de Deus. Fomos criados para praticar as obras que glorificam a Deus. Paulo disse aos Efésios: “porque somos feitura Sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” (Efésios 2.10).

Não basta somente esperar a vinda de Cristo, é preciso, também, trabalhar firme na obra do Senhor.