“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.” (2 Timóteo 3.1).

A cada dia que se passa a tecnologia avança alcançando patamares extraordinários no mundo da modernidade, onde a extrema sofisticação das coisas, tornam a vida moderna mais atrativa e prática, mesmo diante da complexa e diversificada rede de produtos colocados no comércio à disposição da sociedade.

Várias pessoas, com frequência, são agraciadas com o “prêmio nobel” de alguma ciência, literatura ou de química e, também, de medicina. São merecedores porquanto se dedicam anos após anos a atingirem metas dentro de suas áreas específicas de pesquisa. É louvável, meus parabéns a todos os ganhadores.

Mesmo com as descobertas de inúmeros antídotos contra doenças, que hoje preocupam a humanidade, existem ainda muito a que se conquistar. É alarmante contemplar as estatísticas de pessoas enfermas com doenças que são frequentes neste século atual, tais como o câncer, o diabete, o Alzheimer, o mal de Parkinson, e mais recentemente o vírus promovido pela COVID/19, além de outras causadas por bactérias que tiram a vida da pessoa em poucos dias.

Os dias trabalhosos os quais Paulo se referia em sua carta a Timóteo, são os que vivemos na atualidade. Todos os dias estamos contemplando a desmoralização da família, a batalha para se implantar ideologias de gêneros e outras que ferem a moral e a religião. Ressalto, ainda, que a libertinagem, a imoralidade, a falta de pudor, o desrespeito a criança, ao jovem e ao adulto, estão cada vez mais crescentes em nosso mundo. As pessoas em nome da arte, acham que podem fazer o que quiser e apresentar seus corpos nus onde bem entender e como acharem melhor, sem que sofram ameaças ou críticas por quem quer que seja.

É preciso respeito para com o semelhante. Não se pode empurrar “goela a baixo”, em nome de bandeiras políticas ou grupos culturais. Não é bem assim, nosso país ainda é um país cristão, que guarda tradições e que ainda existem muitas pessoas que amam a decência e a ordem e são contra essa imoralidade e falta de respeito e vergonha de muitos que, em nome da arte e da ciência exibem seus corpos sem nenhum senso de moralidade e temor a Deus.

Glorifico a Deus porque ainda temos uma justiça que se manifesta, e um grupo de homens e mulheres que amam a Deus e não aceitam tais comportamentos que só servem para denegrir a imagem cristã de nossa sociedade. Não podemos aceitar, de maneira nenhuma, esse tipo de agressão as nossas crianças. Deus abençoes nossa nação.

“Que diremos, pois, a essas coisas. Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8.31).